PM prende trio que estourou casa para furtar rádio

Fotos: Luiz Fernando

Ao final da tarde desta segunda-feira (12), a Força Tática da Polícia Militar com o sargento Tocchio e soldados Mácoris e Cardoso, efetuou a prisão de um rapaz chamado Cristian Henrique da Silva, de 19 anos de idade, conhecido como “Japa”, que em companhia de dois adolescentes (16 e 17 anos) arrombou uma casa na Rua Tomás Matheus, região do Jardim Nossa Senhora de Fátima para furtar um rádio de carro.

Destacam os policiais que os três estavam passando em frente a esta casa e entenderam que seus proprietários haviam saído. Eles, então, pularam a grade frontal da residência e estouraram a porta da sala e passaram a procurar objeto de valor. Num dos quartos estava o morador Tiago Correa Fernandes que ao ouvir o barulho do arrombamento trancou a porta e acionou a polícia.

Ao perceberem que havia gente na casa os marginais fugiram, mas foram interceptados pelos policiais militares na Rua Jaguaribe. Com Cristian “Japa” estava o rádio furtado da casa que foi reconhecido pela vítima. Os policiais da Força Tática conduziram os três rapazes ao Plantão Permanente onde foram autuados em flagrante de furto qualificado pela delegada Ana Carolina de Brito e recolhidos ? Cadeia Pública (transitória) Itatinga.

Vale lembrar que na semana passada Cristian Japa já havia sido preso pela Polícia Militar em razão de praticar crime de apropriação indébita e estelionato em diferentes lojas comerciais. Ele encontrou uma carteira no centro da Cidade, que teria caído do bolso de um motoqueiro e nela havia R$ 450,00 em dinheiro e vários cartões de crédito de diferentes agências bancárias. Para sua surpresa junto aos cartões havia uma folha de papel onde estavam as senhas.

Ele não perdeu a oportunidade e usou os cartões de crédito em lojas da cidade, comprando diferentes produtos, principalmente, peças de vestuários, gastando cerca de R$ 3 mil em mercadorias e ainda fez um saque no valor de R$ 2 mil. Os cartões foram bloqueados e os policiais rastrearam os locais onde foram usados e chegaram ao criminoso. Assistido pelo advogado Marco Aurélio Capelli Zanin ele foi liberado para responder o processo em liberdade, mas acabou sendo preso novamente.