PM prende dupla que assaltou loja de calçados no centro

Os policiais militares Carvalho e Contessotto, contando com apoio do cabo Garcia e soldado Eliete, esclareceram a um caso de furto qualificado cometido na madrugada desta quinta-feira (3) na Loja Styllus, instalada na Rua Amando de Barros, região central da cidade. Os marginais invadiram a loja mediante arrombamento da porta de entrada e levaram 53 pares de tênis de diferentes marcas e tamanhos e a quantia de R$ 400,00, que estava no caixa. A curiosidade é que os ladrões deixaram seus pares de tênis na loja e saíram calçados com pares novos.

Após serem informados do crime os policiais militares passaram a efetuar patrulhamento por alguns locais conhecidos como “biqueiras” de vendas de drogas e pela manhã, na Rua 4, na Chácara dos Pinheiros, efetuaram a prisão de Leandro Coraçar Rodrigues, de 18 anos de idade, conhecido como Madruga, que confessou a sua participação no crime e revelou que agira com outros dois elementos.

A Polícia Militar, contando com apoio dos policiais da Delegacia de Investigações Gerais (DIG), Marcos e Vitor, prenderam na Rua Aparecido Francisco de Oliveira, no Recreio do Hawai, um dos elementos apontados por Madruga. Trata-se de David Marcelo Ribeiro, de 31 anos de idade, que negou sua participação no crime. Um terceiro elemento citado por Madruga, de nome Giliardi, foi procurado, mas não localizado. Seria Giliardi quem teria ficado com a maioria dos pares de tênis furtados da loja. “Nós detectamos que logo após o crime, alguns pares de tênis foram vendidos por R$ 10,00, para compra de crack”, disse o PM Carvalho. “Acredito que a prisão do outro envolvido será uma questão de tempo”, emendou Contessotto.

Na delegacia Madruga confirmou que é dependente de crack. “Desde adolescente uso (crack) e não consigo parar. O dinheiro e os pares de tênis estão com um camarada (Giliardi) que fez a fita comigo. Agora sei que minha situação está complicada, porque acho que não escapo (de ser preso)”, reconheceu o acusado.

Outra descoberta feita pela polícia é que esse cidadão chamado Giliardi, que já é conhecido, foi reconhecido como um elemento que esteve na loja dias antes do crime ser concretizado. Ele foi reconhecido pelo álbum de fotos da DIG.

Fotos: Valéria Cuter