PM é investigado por suspeita de pedofilia virtual

O suposto caso do envolvimento de um capitão que pertence ao 12º Batalhão de Polícia Militar do Interior (BPM-I), de Botucatu em crime de pedofilia virtual (pela internet) divulgado na manhã desta sexta-feira (14) causou grande repercussão na Cidade, em razão de o acusado ser bastante conhecido e ter 20 anos de serviços prestados ? Corporação. O PM nega todas as acusações.

A denúncia foi feita por parentes de uma adolescente de 15 anos de idade com quem o acusado teria mantido um relacionamento virtual. Nomes serão mantidos em sigilo já que o caso corre em segredo de Justiça, até que tudo seja, devidamente, esclarecido.

A delegada titular da Delegacia de Defesa da Mulher (DDM) Simone Alves Firmino esteve com sua equipe na residência e na sala de trabalho do policial na manhã desta sexta-feira onde fez a apreensão de vários computadores e celulares que serão periciados. Ela não quis dar nenhuma declaração sobre o caso. “O inquérito corre em segredo de Justiça e não podemos adiantar nada”, disse.

O comandante interino do 12º BPM-I, major Jorge Duarte Miguel, afastou o PM de suas funções administrativas para que tudo seja apurado. “Por enquanto, existe a denúncia, mas nada ainda foi comprovado. O caso será encaminhado ao Comando Policial da Sétima Região (CPI-7) de Sorocaba para que seja feita uma apuração na esfera militar. Também será aberto inquérito da Polícia Civil que irá correr pela DDM e presidido pela delegada Simone Firmino”, frisou o comandante. “Caso seja apurado que o policial, realmente, cometeu o crime será punido, exemplarmente, dentro das normas da PM”, completou.

Segundo consta, o PM mantinha relacionamento virtual com essa adolescente há um ano e havia marcado um encontro para se conhecerem. Entretanto, a conversa entre os dois marcando o encontro foi descoberta e ao invés da menina foi uma tia que teria comparecido e, posteriormente, feito a denúncia de sedução de menor.

Foto: Valéria Cuter