PM apreende munição e maconha na Vila Assunção

Fotos: Valéria Cuter

Foi atendendo a uma denúncia anônima feita ao telefone 190 na manhã desta sexta-feira (20), que os policiais militares Panhoça e Sidney, realizaram a apreensão de 33 “parangas” de maconha, uma porção bruta da mesma droga pesando 50 gramas, que possibilitaria a confecção de outras 50 porções e sete balas de revólver calibre 38. A operação policial aconteceu na Rua Cássio Pereira, região da Vila Assunção, quando um jovem de 23 anos chamado André, foi detido para averiguação.

A PM recebeu a informação de que na lavanderia do quintal daquela casa, escondidas sob um tanque de lavar roupas, havia armas e drogas. “Deslocamos-nos até o local indicado na denúncia e localizamos os produtos ilícitos, mas não encontramos armas”, destacou o policial Panhoça. “Quando recebeu voz de prisão, o averiguado estava com sua esposa e não tentou reagir, nem fugir”, emendou Sidney. Foi feito uma vistoria no interior da casa ? procura de armas e mais drogas, mas nada foi localizado.

Assistido pela advogada Silvana Pradela Carli, André foi conduzido ? Delegacia de Investigações Sobre Entorpecentes (DISE), onde prestou depoimento ao delegado Paulo Fábio Buchignani, que não teve convicção da culpabilidade do envolvimento do jovem. Por isso, ele não foi autuado em flagrante por tráfico de entorpecentes e porte ilegal de munição. Embora o flagrante não tenha sido elaborado, o caso continua sob investigação.

{n}Jurando inocência{/n}

Na delegacia André disse que não tinha conhecimento da droga, assegurando que ela não lhe pertencia e alguém pode ter colocado naquele local para incriminá-lo. “Mudei para esta casa no domingo (15) e mal a conhecia e o informante da polícia disse, com detalhes, onde a droga estava escondida. Não era minha (a droga). Não sou santo e já tive passagens, mas isso não é meu! A polícia fez certinho o papel dela em atender essa denúncia. Acho que a própria pessoa que me denunciou escondeu essa droga”, comentou o acusado.

Questionado sobre quem poderia ter colocado a droga naquele local, foi taxativo. “Não sei, deve ser alguém que tem alguma coisa contra mim e quer me prejudicar. Esta semana recebi um bilhete ameaçando a mim e a minha mulher”, revelou Ramos, mostrando o bilhete que está descrito, exatamente, da seguinte forma. “Axou que ia desistir de voce André. Agora voce e essa loira vão se fuder”.