Pedreiro de 22 anos é assassinado na Estância Sophia

A Polícia Civil de Botucatu, através da Delegacia de Investigações Gerais, está ? procura de um cidadão de nome Sebastião Rogério Pereira, de 25 anos de idade, conhecido como Japa. Ele foi apontado como o autor do assassinato contra o pedreiro André Luiz da Silva, de 22 anos de idade, conhecido como Cebola. O crime aconteceu por volta das 23 horas desse domingo na Estância Sophia, onde estava ocorrendo o baile semanal no salão de festas.

A Estância é um local muito visitado em razão dos atrativos naturais com um amplo espaço para confraternização e festas e pousadas, além de um pesqueiro que funciona no local. A entrada fica ? s margens da Rodovia Marechal Rondon, altura do km 245, região que pertence ao Parque dos Pinheiros (foto).

Segundo o que foi apurado junto a algumas pessoas que estavam no local, acabaram presenciando quando Pereira disparou quatro tiros contra Cebola. Dois tiros acertaram o tórax e o pescoço da vítima, respectivamente. Os outros dois tiros não acertaram o alvo. Após os disparos Japa fugiu, a pé, deixando para trás uma motocicleta Yamaha, com placas da cidade de Trindade, estado de Pernambuco. Foi com esse veículo que havia chegado ? festa.

De acordo com dados preliminares passados por testemunhas, Cebola se desentendeu com Japa, por causa da mulher de um amigo. Ele teria ido em defesa do companheiro e quando os dois desafetos saíram passaram a discutir, Japa sacou de um revólver e disparou os tiros, que tiraram a vida do pedreiro.

A equipe especializada da DIG, que tem no comando o delegado Celso Olindo, está trabalhando no caso e nas próximas horas o autor do homicídio deverá ser preso e dar seu depoimento sobre os reais motivos que o levaram a tirar a vida do pedreiro.

{bimg:6003:alt=interna1:bimg}

“Nossa equipe de investigação está empenhada em esclarecer esse crime, com a prisão do seu autor, assim como fazer a apreensão da arma utilizada. Acredito que nas próximas horas teremos novidades sobre este caso. Já temos alguns dados coletados com testemunhas, mas somente com a prisão e o depoimento do acusado poderemos dar informações mais detalhadas”, comentou Olindo.

Pela experiência que tem em casos desta natureza, o delegado titular da DIG entende que não será nenhuma surpresa se Pereira apresentar-se espontaneamente na delegacia com um advogado. “Mesmo que não se apresente, ele não ficará foragido por muito tempo”, completa.

Foto: Valério A. Moretto