Operação da PM resulta na apreensão de 21 “tijolos” de maconha

Por intermédio de denúncia anônima, a equipe de Força Tática da Polícia Militar (PM) de Botucatu, composta pelo sargento Leonardo e soldados Bianchi e Winckler, deslocou-se até a Rodovia João Hipólito Martins, Castelinho, onde a informação revelava que uma mulher chamada Tatiana Teixeira Matos, conhecida como Taty, de 23 anos, estaria no interior do ônibus da empresa Expresso Fênix, linha São Paulo/Botucatu, trazendo consigo, aproximadamente, 10 quilos de maconha.

O ônibus foi interceptado pela equipe na Castelinho, próximo ao trevo de entrada ? Instituição Toledo de Ensino (ITE) e ao adentrar no veículo foi determinado aos passageiros que todos seriam revistados em face de denúncia de entorpecentes no seu interior. Porém, uma das passageiras (Taty) se manifestou e informou aos PMs que estaria conduzindo o entorpecente e, que o mesmo estaria numa sacola no interior do bagageiro. Informou também que a droga seria entregue a uma pessoa conhecida como “Cadão” este já conhecido nos meios policiais e suspeito de ser integrante de uma facção criminosa que age nos presídios de São Paulo.

“De imediato escoltamos o ônibus até o Terminal Rodoviário local e ao revistarmos o bagageiro logramos êxito em encontrar uma bolsa contendo 21 “tijolos” de maconha (pesando 8,790 kg) e a indiciada ainda nos informou que vinha de Santo Amaro (SP) e a droga seria entregue a um cidadão alcunhado de “Cadão”, na Avenida Vital Brasil, num ponto de ônibus próximo a um supermercado e lá receberia R$ 1.000,00 pelo serviço. Ela, entretanto, não soube precisar o nome da pessoa que a incumbiu de trazer droga para Botucatu”, relata o sargento Leonardo.

O policial revela que a guarnição ao se deslocar no local combinado (onde a indiciada teria que entregar a droga), deparou-se com Cláudio Cristiano de Carvalho, o “Cadão”, de 24 anos ao lado de Afonso Aparecido Oliveira Pereira, de 22 anos, no interior de um veículo Fiat Uno placa DZF-1214, de Botucatu. “Na abordagem “Cadão” confirmou a versão de Tatiana afirmando receberia a droga trazida por ela”, frisou o sargento Leonardo, ressaltando que Afonso Pereira manteve-se calado. “Porém, localizamos com ele, a quantia de R$ 1.600,00 que, provavelmente, seria o dinheiro do acordo feito pelo serviço de Tatiana”, deduziu o sargento da PM.

Em vistoria feita na residência de “Cadão, que fica na Cohab 4, os policiais militares localizaram em seu quarto, uma porção de maconha acondicionada em um pequeno frasco de vidro. Dado voz de prisão aos três acusados, sendo que no Plantão Permanente, o delegado Celso Taira determinou que Cláudio “Cadão” Carvalho e Afonso Pereira fossem recolhidos a Cadeia Publica de Botucatu. Já Tatiana Matos acabou conduzida ao presídio feminino de Itatinga. Todos foram enquadrados em crimes de tráfico de entorpecentes e associação ao tráfico.

Fotos: Valéria Cuter