Mulher presa com 1.5 kg de cocaína no Terminal Rodoviário

Eram 11h30 da manhã desta segunda-feira (8) quando os policiais especializados da Delegacia de Investigações Sobre Entorpecentes (DISE) prenderam em flagrante uma mulher de nome Maria Aparecida David Cruz, de 31 anos de idade, que estava no Terminal Rodoviário aguardando um ônibus para viajar para a Cidade de Bauru.

Na revista pessoal feita na bolsa desta mulher os policiais localizaram três pacotes contendo cocaína em pó totalizando cerca de 1,5 kg da droga pura (500 gramas por pacote). Com este montante seria possível fabricar algo em torno de 5 mil porções para venda direta a usuários. “Com a adição de outros componentes como amido, farinha de trigo, sal, entre outros este número poderia ser triplicado”, ressaltou o delegado Paulo Fábio Buchignani que esteve no comando das operações.

Vale lembrar que Buchignani esteve de plantão durante toda a noite e pela manhã ao final do expediente recebeu a informação de que uma mulher estaria em um ônibus de passageiros com grande quantidade de drogas e o flagrante acabou acontecendo.

Os detalhes da operação para descobrir como a mulher trazia a droga não foram revelados para não comprometer investigações futuras. “O que podemos dizer é que esta droga seria entregue em Bauru para ser distribuída. Nós conseguimos interceptar (a droga) no caminho e prender a mulher que estava sendo paga para fazer o transporte, que no tráfico é conhecido como cavalo ou mula. Agora o trabalho prossegue para detectarmos para quem essa droga seria entregue”, colocou o delegado da DISE.

A mulher revelou que mora em São Paulo e estava em Botucatu por acaso. “Tinha que chegar a Bauru, mas peguei o ônibus errado e vim parar aqui. Estava aguardando o ônibus quando me ligaram de Bauru perguntando onde estava. A “pessoa” estava preocupada com minha demora. Porém, a polícia apareceu de repente e me deu voz de prisão. Não tive nenhuma reação, só fiquei espantada por sido descoberta porque ninguém me conhece por aqui. Não era para estar em Botucatu”, coloca a mulher.

Diz que é solteira, tem dois filhos menores (02 e 13 anos, respectivamente) e já foi presa por tráfico de entorpecentes. “Pessoas como eu entram para o tráfico por necessidade, para ganhar um pouco mais, mas não vale a pena, porque, mais dia menos dia, a polícia pega. Aceitei trazer a droga e nem sei quanto tinha, porque peguei o pacote fechado e já coloquei na bolsa. Só queria saber como a polícia daqui sabia da droga”, observou a mulher.

Depois de prestar depoimento, sem revelar a origem do entorpecente apreendido, a mulher foi enquadrada em crime de tráfico de entorpecentes que prevê aos condenados uma pena que varia de 05 a 15 anos de reclusão. Acabou recolhida ao presídio feminino de Itatinga, onde permanece ? disposição da Justiça.

Fotos: Jornal Acontece Botucatu