Mulher julgada como mandante de assassinato é absolvida

Num julgamento rápido e que durou pouco mais de duas horas, a advogada Rita de Cássia Barbuio conseguiu na manhã desta quinta-fera (14) absolver a ré Osvaldina dos Santos, de 40 anos de idade, que foi acusado a ser a mandante de um crime de homicídio tentado contra um cidadão chamado Edson de Jesus Rodrigues. Ela foi acusada de ter contratado Daniel Amaro Batista para assassinar Edson de Jesus Rodrigues. O Conselho de Sentença formado por sete pessoas da sociedade botucatuense absolveu a acusada.

Segundo a denúncia, Osvaldina teria sofrido agressão sexual e física por parte de Edson e, em razão disso, teria oferecido dinheiro para que Daniel tirasse a vida dele. O crime ocorreu no dia 27 de agosto de 2001, por volta das 20 horas, defronte a um bar na Rua Carlos Bauer Filho, nº 354, Jardim Brasil, quando Daniel Batista, ocupando uma motocicleta, efetuou disparos de arma de fogo contra Edson. Os disparos atingiram a vítima que foi socorrida e não morreu. Osvaldina, desde o início do processo nega qualquer participação sua no crime, confirmando, porém que fora vítima de abusos sexuais e físicos.

Ocupou a mesa da presidência do Tribunal do Júri do Fórum de Botucatu para comandar os trabalhos em plenário o juiz Marcus Vinícius Bachiega, tendo como representante do Ministério Público, o promotor de Justiça Marcos José de Freitas Corvino. A advogada criminalista Rita de Cássia Barbuio foi defensora da acusada e conseguiu convencer os jurados de inocência da ré.