Mulher é acusada de “fabricar” porções de cocaína

No relatório policial consta que a indiciada teria confessado a prática de tráfico, fazia as porções no momento da compra e as pesagens variavam de acordo com a disponibilidade dos usuários

 

Tenente Newton e cabos Raul e Forner em patrulhamento por um trecho da Rua Raul Raimo, no Jardim Brasil, conhecido por ser um ponto de venda de drogas, visualizaram um indivíduo em atitude suspeita agachado próximo de um entulho. Na abordagem nada foi encontrado em seu poder, porém foi localizado próximo do entulho duas cápsulas de cocaína caídas no chão. Indagado o mesmo alegou que era usuário de drogas ilícitas e norteou o local onde havia comprado o entorpecente.

Feito diligências na residência indicada onde uma mulher atendeu e ao ser questionada alegou, inicialmente, não ter relação com o tráfico de entorpecentes autorizando a entrada da guarnição. Em buscas na moradia, foi encontrado no interior do guarda roupas, enrolado com roupas pessoais, uma porção média de cocaína, pesando 30 gramas (daria para cerca de 110 porções) e R$ 130,00 em espécie.

No relatório policial consta que a mulher identificada como Jaqueline Almeida,  de 29 anos, em virtude das evidências  contra si, teria confessado a prática de tráfico de entorpecentes. Também apontado em relatório que as porções eram feitas no momento da compra e as pesagens variavam de acordo com a disponibilidade dos usuários.

Diante dos fatos, as partes foram conduzidas ao Plantão Permanente, onde o delegado Marcelo Lanhoso de Lima ratificou a voz de prisão em flagrante delito por tráfico de entorpecentes. A indiciada acabou recolhida à Cadeia Pública de Porangaba, enquanto o rapaz detido com duas porções foi liberado. A mulher não declinou a origem da cocaína e  polícia não descarta a possibilidade de ela estar “trabalhando”  para  o traficante que abastece aquele região da cidade.