Mulher de 23 anos é assassinada pelo companheiro de 19

Um caso de assassinato foi registrado no Plantão Permanente na madrugada desta quinta-feira, por volta das 1h30, na Rua 14, região do Jardim Monte Mor, pelo delegado José Sérgio Palmieri. A ocorrência foi atendida pelos policiais militares cabo Cesar e soldado Márcio que receberam a informação através do telefone 190.

Segundo dados colhidos pela reportagem, a polícia foi informada por vizinhos de que um tiro havia sido disparado naquela casa. Os policiais adentraram na casa e encontraram a mulher de nome Elisângela Rodrigues Coelho, de 23 anos de idade, que estava de bruços na cama, seminua, com um tiro no peito, provavelmente, de calibre 38. Nas investigações preliminares os policiais detectaram de que o assassinato havia sido cometido pelo amásio da mulher, de nome Miguel Marcos Ferreira, de 19 anos de idade, que fugiu após o disparo.

Ainda no local dos fatos, em conversas com familiares e vizinhos a polícia recebeu a informação de que Elisângela havia chegado do Estado de Pernambuco há cerca de três meses e passou a morar, maritalmente, com Miguel. Ela estaria grávida de dois meses, sendo este o motivo da discussão que acabou gerando o assassinato. Só a necropsia vai detectar se a mulher assassinada estava, realmente, grávida.

Outro dado levantado pelos policiais que estiveram no local do crime revela que a mãe e a irmã de Miguel Ferreira, autor do assassinato, moram na casa vizinha, mas a policia não confirma se foi uma delas que acionou a policia. O caso foi encaminhado ? Delegacia de Investigações Gerais (DIG) para que o trabalho investigativo seja feito para localizar e prender o responsável pela morte de Elisângela.

“O homicídio está esclarecido, mas falta prender o autor e apreender a arma do crime. Acredito que nas próximas horas esse cidadão será preso e poderá relatar os reais motivos que o levaram a cometer esse crime. Ele está foragido, mas não está descartada a possibilidade de que possa se entregar nas próximas horas. A sua prisão é uma questão de tempo”, frisou o delegado Celso Olindo (foto) titular da delegacia especializada, que comanda as investigações.