Mecânico é assassinado a golpes de faca em via pública

Um caso de homicídio foi atendido na tarde deste domingo (18), por volta das 16 horas, pelos policiais militares Tuono, Moreno, Bento e Da Silva, na Rua Antônio Pedroso Pinto, altura do número 409, na divisa dos bairros Jardim Ciranda e Vista Linda, atrás do Estádio Petrarca Bacchi, do Brasil de Vila Maria. A vítima foi o mecânico Florisvaldo de Jesus, conhecido como “Negão”, de 36 anos de idade.

Consta que Florisvaldo vivia com uma mulher de nome Joselma Silva Bezerra, de 18 anos, mas não deu certo e ela terminou o relacionamento.Posteriormente, a mulher passou a morar com o servente de pedreiro Fábio Andrade dos Santos, de 23 anos, que, coincidentemente, também é conhecido como “Negão”, gerando ciúme no ex-companheiro, que não assimilou a separação.

Neste domingo Florisvaldo foi até a casa de sua ex-mulher e passou a discutir com Fábio e ambos começaram a se ofender, mutuamente. A discussão transformou-se em luta corporal e os dois estavam armados com facas. Fábio levou a melhor e desferiu golpes contra o peito e pescoço de seu oponente. Mesmo ferido, gravemente, Florisvaldo ainda conseguiu andar cerca de 10 metros antes de cair em via pública. Fábio fugiu levando consigo a arma do crime.

“Quando nós chegamos ao local, o criminoso já havia desaparecido e concentramos nossa atenção ? vítima que ainda tinha sinais de vida. Acionamos os profissionais do Serviço Atendimento Médico de Urgência (SAMU), para que o ferido fosse encaminhado ao Pronto Socorro (PS) da Unesp, mas não resistiu e morreu a caminho do hospital”, revelou o policial Tuono, que apresentou o caso ao Plantão Permanente, ao delegado Celso Taira.

Segundo versão da mulher, que foi o pivô central da desavença entre os dois homens, desde a manhã deste domingo, Florisvaldo estava fazendo ameaças veladas contra Fábio, jurando que iria acabar com a vida do casal.

“Ele não aceitou a separação e vivia nos perseguindo. Só que larguei dele porque me maltratava, me batia e tinha um ciúme doentio. Não podia conversar com ninguém que ele já invocava. Quando passei a morar com o Fábio sempre que nos encontrava dizia que ia nos matar. Chegou a bater várias vezes no meu portão. Tive que fazer dois Boletins de Ocorrência (BOs) de ameaça”, garante Joselda.

Com relação ao crime, revela que Florisvaldo foi até sua casa e passou discutir com ela. Fábio saiu e entrou na discussão. “Então, ele chamou o Fábio de vagabundo, que não era homem e outras coisas. Fábio ficou bravo, abriu o portão e os dois saíram na mão (entraram em luta corporal). Depois, os dois pegaram as facas e Fábio acabou acertando o Negão (Florisvaldo) e saiu correndo e não sei onde ele foi”, garante a mulher. “Pode ser que o Fábio também esteja ferido”, acrescentou.

Os policiais militares efetuaram patrulhamento nas imediações para tentar localizar o autor do crime, mas ele não foi encontrado. Como é um homicídio de autoria conhecida Fábio Santos deverá ser preso ou se entregar, espontaneamente, nas próximas horas.

Fotos: Valéria Cuter