Maníaco ataca mulheres na Vila dos Lavradores

A Delegacia de Defesa da Mulher (DDM), juntamente com a Delegacia de Investigações Gerais (DIG) está empenhada para localizar e prender um maníaco desconhecido e considerado de alta periculosidade, que atacou e espancou violentamente uma adolescente de 17 anos de idade (de nome Aline) na Rua Major Matheus, região da Vila dos Lavradores, na madrugada de sábado, por volta da 2 horas. Além dessa adolescente, outras duas mulheres já haviam sido atacadas e espancadas nesta mesma região, por esse mesmo marginal.

Consta que esta menina havia saído de uma lanchonete que funciona naquela rua e caminhava sozinha pela calçada, quando foi abordada por esse marginal, nas proximidades do Banco Real. Ele teria vindo por trás e dado uma “gravata” na vítima, passando a desferir socos em sua cabeça.

A jovem caiu no chão e o agressor passou a agredi-la com chutes na cabeça. Aline tentou fugir, mas era puxada pela blusa, que chegou a ser rasgada durante a luta. Aparentemente, o marginal não pretendia cometer estupro e sim agredir a menina. Além dos socos e pontapés, o marginal tentou enforcá-la por duas vezes. Não bastasse isso, “ralou” a moça no chão. Só quando ela já estava bem machucada é que ele pediu dinheiro.

Segundo a menina, o espancamento durou cerca de cinco minutos e seu drama só teve fim em razão do motorista de um carro que, ao observar a violência, parou para socorrê-la. Foi então que o marginal fugiu, tomando rumo da sede do Dragões da Vila. Ela foi socorrida ao Pronto Socorro do Hospital Regional Sorocabana, com diversos hematomas pelo corpo, principalmente na região das costas que ficou em “carne viva”, ou seja, com vários cortes.

No plantão do hospital uma surpresa: Aline já era a terceira mulher que havia dado entrada naquela madrugada no PS por espancamento nas mesmas características. Ou seja, o mesmo marginal, na mesma região, abordou essas mulheres e sem dizer nada passou a agredi-las. Das três, a mais machucada foi Aline.

Aline revelou que o agressor era branco, encorpado, cerca de 1,72 metros, cabelos castanhos claros, curtos e com “topete”. Trajava, o mesmo marginal, na mesma região, abordou essas mulheres e sem dizer nada passou a agredi-las. Das três, a mais machucada foi Aline.
Aline revelou que o agressor era branco, encorpado, cerca de 1,72 m., cabelos castanhos claros, curtos e com “topete” uma camiseta amarela com estampa frontal branca, calça jeans e tênis velho. Contou ainda que ele estava com os olhos “arregalados” e babava muito. Provavelmente, estaria drogado.

Foto: Ilustrativa