Mãe aponta Unesp como responsável pela morte da filha

Uma grave denúncia foi feita contra a Maternidade do Hospital das Clínicas (HC) da Unesp de Botucatu neste final de semana pela cozinheira Daniele Souza Lima, de 21 anos de idade, que estava prestes a dar a luz, mas perdeu seu filho naquela unidade hospitalar.

Consta que por estar sentindo fortes dores a mulher foi internada e examinada por volta das 12 horas de sábado (3) e teria recebido a orientação para ficar caminhando até que houvesse a dilatação necessária para realizar o parto. Às 15 horas passou por exame e estaria com três dedos de dilatação, sendo informada que a criança estava bem, com os batimentos cardíacos normais. Entretanto, ? s 19 horas fez novo exame e sua surpresa foi muito grande quando recebeu o comunicado de que criança havia morrido.

“Foi um “baque” muito grande, pois a informação que a gente tinha é que estava tudo bem. Todo processo de pré-natal foi feito na Unesp e nunca tivemos problemas. Minha mulher estava reclamando de muitas dores desde a manhã, mas eles (os médicos) pediram para ela caminhar”, lembra Geriel de Jesus Souza, pai da criança.

Ele ainda faz uma revelação mais grave. “Eu tinha uma carta alertando que minha mulher teria que ser submetida a uma cesariana e não a um parto normal. Por isso, fiquei preocupado. Se essa cesariana fosse feita no início da tarde, meu filho poderia estar vivo agora. Estou inconformado com tudo isso e decidi abrir um Boletim de Ocorrência (BO) para que isso seja esclarecido”, diz Souza.

O caso foi encaminhado ? Delegacia de Defesa da Mulher (DDM) e será investigado pela equipe da delegada titular, Simone Alves Firmino, que deverá abrir inquérito policial para ouvir as pessoas envolvidas nesse processo e detectar se houve negligência por parte dos profissionais que estavam trabalhando naquele hospital, no período em que tudo isso aconteceu. Paralelo ao inquérito, a direção do hospital deverá abrir sindicância interna.

Vale lembrar que na manhã da última quinta-feira uma criança nasceu em situação adversa na parte externa na Maternidade. O casal Danilo Aparecido de Oliveira e sua mulher Dinah Ricardi da Silva, ambos com 29 anos de idade, teve que passar pelo Pronto Socorro (PS) para mais uma consulta e quando ela foi encaminhada para a Maternidade a criança nasceu no meio do caminho, na parte externa.

Outro caso que também se tornou público este ano e gerou muita polêmica foi quando a equipe médica deixou cair ao chão uma criança que havia acabado de nascer. Felizmente, embora tenha batido com a cabeça no piso da Maternidade, a criança não ficou com seqüelas.