Júri condena réu no primeiro julgamento do ano

Fotos: David Devidé

 

Por ter mais de 70 anos de idade o réu Celso Nicolosi, embora tenha sido condenado a 2 anos e seis meses de reclusão pelo Corpo de Jurados composto por quatro mulheres e três homens vai cumprir a pena de liberdade. Ele sentou-se no banco dos réus por ter sido acusado de um crime de homicídio tentado cometido contra Astrogildo Luiz Valério, em 15 de maio de 2009, no Jardim Ciranda.

A pena foi proferida pelo presidente do Tribunal de Júri de Botucatu, juiz Marcus Vinícius Bachiega após reunião dos jurados na sala secreta do tribunal. O réu foi defendido pelo advogado criminalista Roberto Fernando Bicudo e como representante do Ministério Público esteve o promotor de Justiça, Marcos José de Freitas Corvino.

Segundo consta na denúncia, a vítima alienou um imóvel para o denunciado, mas devido a problemas na casa, dirigiu-se até o local com um engenheiro civil para realizarem uma vistoria. Todavia as partes não chegaram a um acordo, ocasião em que o denunciado teria isso ao seu carro apoderado-se de um revólver, vindo em direção a vítima.

Quando estava a uma distância aproximada de um metro,  teria apontado a arma em direção ao peito da vítima e apertado o gatilho, mas o disparo falhou, apenas picotando a cápsula de espoletamento. O réu reconheceu que apontou a arma para a vítima, no entanto, alegou que sabia que ela não funcionava, sendo que seu objetivo era a intimidação.