Júri absolve pedreiro de crime de homicídio tentado

Deu absolvição por legítima defesa. Foi essa a decisão do Corpo de Jurados formado por sete pessoas da sociedade botucatuense para com o pedreiro Clineu Cardoso de Oliveira, de 48 anos, que foi julgado nesta quinta-feira (7) denunciado como autor de um homicídio tentado cometido contra João Paulo Fonseca. Crime aconteceu ao final da tarde do dia 15 de agosto de 2009, na Rua Flávio Rafanella, no Jardim Monte Mor.

Julgamento de Oliveira aconteceu no Tribunal de Júri do Fórum de Botucatu sob a presidência do juiz Marcus Vinícius Bachiega, tendo como representante do Ministério Público, o promotor de Justiça, Marcos José de Freitas Corvino. O Conselho de Sentença acatou a tese de defesa da advogada criminalista Rita de Cássia Barbuio.

Na denúncia está descrito que Clineu Oliveira estava na sala de sua casa com a família quando a filha de Fonseca entrou na casa, alegando que o pai estava embriagado e quebrando os móveis. Minutos depois Fonseca teria invadido a casa alheia e passou a discutir com o proprietário, aplicando-lhe um tapa no rosto.

Os dois homens foram para fora e a Polícia Militar foi acionada e compareceu ao local dos fatos para apaziguar os ânimos e Clineu Oliveira retornou para sua casa. Entretanto, Fonseca conseguiu escapar dos PMs e invadiu a residência. Clineu apanhou uma faca comum de cozinha desferiu um golpe contra o abdome do agressor causando-lhe ferimentos que por pouco não o levaram ? morte.