Homicida que matou desafeto com espingarda vai a júri

O promotor de Justiça Marcos José de Freitas Corvino e a advogada criminalista Rita de Cássia Barbuio voltam a se enfrentar, no plenário do júri da comarca de Botucatu, nesta quinta-feira (6), a partir das 9 horas, com entrada liberada para o público interessado.

Em reunião que será presidida pelo juiz de Direito Marcus Vinicius Bachiega, será submetido a julgamento, Fabiano Souza Silva, vulgo “Paraíba”, acusado da prática de homicídio contra Edivaldo Ferreira Cardoso, vulgo “Pucão”, no dia 05 de março de 2008, na Rua D. Pedro I, nº 09, Parque Imperial, em Botucatu. Sete pessoas da sociedade botucatuense serão sorteadas entre as 25 convocadas para decidir o futuro do réu.

Segundo a denúncia, a vítima era alcoólatra e usuária de crack, sendo que, sempre que se encontrava com o denunciado, o ameaçava, acusando-o de ter subtraído pedras de crack. No dia dos fatos, houve nova discórdia. O acusado, de posse de uma espingarda cartucheira, calibre 28, efetuou disparo contra a vítima levando-a a óbito.

O acusado negou sua participação. Entretanto, segundo a denúncia, na Delegacia de Polícia, “após ter ciência dos benefícios de sua confissão, assim o fez”. Porém, em juízo, o acusado sempre negou que tivesse efetuado os disparos.

Através da denúncia formalmente apresentada pelo Ministério Público o réu será julgado por homicídio duplamente qualificado, pelo motivo torpe e por utilizar recurso que impossibilitou a defesa do acusado.