Homem é brutalmente assassinado na zona rural

Fotos: Luiz Fernando

 

A equipe Alpha  da Policia Militar, comandada pelo tenente Malagute, foi acionada a comparecer a  Rua Paraná, no Bairro Campos Eliseos,  zona rural de Botucatu, para averiguação de um possível homicídio. Ao chegar ao local depararam com a vítima Anir Cardoso, de 61 anos, caída em sua residência com diversas marcas na cabeça e já sem vida.

A policia fez buscas e tomou conhecimento que um cidadão chamado Sebastião Lourenço, de 44 anos, havia declarado em um bar que teria assassinado Anir. Os policiais, então, se deslocaram até a casa de Sebastião em uma chácara vizinha pela  Rua Mato Grosso e este acusou o sobrinho Felipe Giovani Lourenço, de 21 anos, de ter participado do crime. Os dois estavam com mandados de prisão em aberto pela prática de crimes de agressão e roubo.

Segundo a versão dos autores Francisco já tinha uma rixa antiga com Anir , por causa de uma égua e em outra oportunidade já havia desferido um golpe de faca no mesmo. Disse que na ocasião do recente crime estavam em casa consumindo bebida alcoólica quando decidiram ir  à casa da vitima para acertar as contas. Anir ao abrir a porta foi golpeado na região frontal da cabeça com um martelo. Ao cair no chão os autores desferiram diversos golpes até a vítima chegar ao óbito.

Na casa onde a PM esteve havia um terceiro elemento, de nome Igor Lourenço,  de 19 anos, também sobrinho de Francisco  que teria participado indiretamente na arquitetação e recebido R$ 250,00 do dinheiro roubado da vítima, mas não estaria na cena do crime. O martelo usado como arma foi jogado em um cafezal e devido à escuridão não foi possível a sua localização. A equipe da Policia Técnica  Científica esteve no local e colheu as informações para preparar o laudo pericial.

Os dados foram apresentados ao Plantão Policial  Permanente onde o delegado Antenor de Jesus Zeque deliberou pela prisão dos autores do crime por flagrante de latrocínio (roubo seguido de morte),  determinado o recolhimento dos mesmos até a Cadeia Pública de Itatinga onde permaneceram para que sejam transferidos ao Centro de Detenção Provisória (CDP ) de Cerqueira Cesar.