Homem de 76 anos espancado por marginais morre na Unesp

Depois de permanecer sete dias em coma na Unidade de Terapia Intensiva da Unesp de Botucatu, o aposentado Rubens Mariano Arruda, de 76 anos de idade, faleceu na madrugada desta segunda-feira (10), em razão dos graves ferimentos causados por uma violenta agressão sofrida durante um assalto quando sua residência foi invadida por três elementos que pretendiam levar o pagamento de sua aposentadoria, na nadrugada de segunda-feira passada.

Um dos marginais foi identificado pela Delegacia de Polícia de Anhembi. Trata-se de Ederson de Oliveira Ribeiro, de 18 anos de idade, natural de Conchas, onde está sendo investigado por furto. Com a morte da vítima o crime, inicialmente, registrado em Boletim de Ocorrência (BO) pelo delegado Geraldo Franco Pires como lesão corporal dolosa, passa a ser trabalhado como latrocínio (roubo seguido de morte), que prevê uma pena de até 30 anos de reclusão. O crime atendido pelos policiais militares sargento Souza e soldado Edvaldo, aconteceu na Rua Carlos Rodrigues de Mello, nº 80 – Distrito de Pirambóia, Município de Anhembi.

Na ocasião do crime, Rubens Arruda estava em companhia de sua mulher Nair quando os marginais invadiram a casa e anunciaram o assalto. Um deles estava armado com um pedaço de pau, com o qual desferiu vários golpes contra o casal. O mais atingido foi o homem que recebeu vários golpes na região da cabeça, causando traumatismo craniano.

Os filhos desse casal foram avisados e os idosos foram atendidos pela equipe de socorristas do Serviço de Atendimento Médico de Urgência (SAMU) que os encaminhou ao Pronto Socorro (PS) da Unesp de Botucatu. O homem, em razão da gravidade dos ferimentos teve que ser internado na Unidade de Terapia Intensiva (UTI), mas não resistiu aos ferimentos e veio a falecer nesta segunda-feira. A mulher também foi internada, mas já recebeu alta e ainda traz consigo as marcas dos ferimentos que sofreu.

Policiais da equipe investigativa estão no encalço deste cidadão que foi identificado como um dos autores do crime e seus dois comparsas. “A prisão é uma questão de tempo e estamos empenhados na captura dos acusados. Temos alguns dados do paradeiro dos autores desse crime que ocasionou a morte de uma das vítimas e estamos fazendo o levantamento de dados e checando informações passadas por testemunhas, para chegarmos aos criminosos”, frisou o delegado Geraldo Franco Pires, sem revelar maiores detalhes para não comprometer o trabalho investigativo.