Guarda Civil dobra número de seus agentes

A Guarda Civil Municipal de Botucatu (GCM), vem desenvolvendo um trabalho em diferentes setores da sociedade local, fazendo desde o auxílio a uma velhinha atravessar a rua até realizar prisão de marginais perigosos, ligados a facções criminosas, que agem nos presídios de São Paulo. Não são raras as ocasiões em que a Guarda Civil realiza operações conjuntas tanto com a Polícia Militar como a Civil, principalmente no que diz respeito ? prevenção.

No comando está Paulo Renato da Silva (foto), que foi formado Guarda Civil, tendo na secretaria de Segurança o delegado Adjair de Campos, que trouxe sua experiência de 35 anos de servilos prestados ? Polícia Civil. Em entrevista ao Acontece, Paulo Silva relatou como é o trabalho cotidiano dos agentes.

“Realizamos um trabalho de reestruturação na Guarda com total apoio do prefeito João Cury, com o intuito de sempre melhorar cada vez mais o atendimento ? população. Hoje dobramos o número de agentes e contamos com 62 homens trabalhando no município. Com isso, pudemos expandir nossa área de atuação e prestar um melhor serviço ? comunidade”, frisou Paulo.

Ele diz que a função da Guarda abre um leque muito grande de ações, cuidando de bens de serviços e instalações públicas. Relata que em Botucatu é feito o trabalho de policiamento comunitário para que os agentes estejam próximos da população e podem, desta forma, conhecer melhor a realidade de cada bairro. Com isso são desenvolvidos projetos específicos, com a finalidade de agilizar o atendimento.

“Também realizamos a segurança urbana que envolve todas as secretarias municipais onde verificamos asfalto, iluminação pública, sinalização, segurança urbana, trânsito, perturbação de sossego, prostituição, consumo de drogas, fiscalização em bares e similares, entre outras. Onde ocorre um problema a Guarda atua e o encaminha para ser resolvido. Atuamos junto a Defesa Civil, além de realizarmos o patrulhamento escolar, patrulhamento ambiental e o patrimonial, além do patrulhamento pelos bairros e áreas comerciais”, enumera o comandante.

Na administração passada, quando havia um novo comando, a Guarda Civil tinha fama de ser violenta, com muitas reclamações da municipalidade, neste sentido. Ele concorda que a Guarda era alvo de muitas denúncias, mas com a nova filosofia de trabalho implantada, a situação se inverteu as reclamações são muito escassas.

“Houve uma mudança significativa. E eu atribuo isso a comando. Quando se mudou o comando, se mudou a filosofia de trabalho e foi colocado para o agente sua verdadeira identidade, havendo uma mudança de conduta. Não é crítica, mas, na verdade, as pessoas que comandavam a Guarda, talvez até por falta de experiência, não tinham qualificação para exercer a função. Não tinham noção do que era policiamento, do que era uma Guarda Civil”, ressalta o comandante, fazendo uma ressalva.

“Não estou desqualificando a pessoa, mas sim o profissional que não era capacitado para comandar o órgão. Não havia o entrosamento do secretário de Segurança com o comandante da Guarda. Não havia reuniões, não havia fiscalização dos agentes ou equipamentos adequados e não havia treinamentos especializados. Tudo isso refletia no trabalho. Então, acho que faltaram pessoas certas nos lugares certos”, coloca Paulo.

Para finalizar Paulo Silva revela que a Guarda Civil está ? disposição a população de Botucatu e atende pelo telefone 199. “Estamos providenciando uma nova linha telefônica para melhor atender a população, em razão de um aumento nas chamadas. Recebemos uma média de 1.200 por mês, cerca de 40 solicitações por dia, fora o atendimento prestado nas ruas. Somando tudo chegaremos a uma média de 4 mil atendimentos por mês”, concluiu o comandante.

Fotos: Fernando Ribeiro