GCM realiza flagrante de falsa comunicação de crime

Atendendo a solicitação realizada via 199 a guarnição formada pelos agentes Machado e Lucchesi, da Guarda Civil Municipal (GCM) se deslocou a Avenida Leonardo Villas Boas, na Vila Nova Botucatu em uma lanchonete, onde segundo informações estaria ocorrendo um caso de seqüestro. No local foram informados pela proprietária que a funcionária chamada Bruna, de 19 anos de idade, havia sido sequestrada e que indivíduos estariam exigindo a quantia de R$ 1.200,00 para liberá-la.

Com a chegada de Bruna ao local de trabalho a guarnição foi informada que a mesma estava na Rua Curuzu em um ponto de ônibus quando indivíduos desconhecidos a abordaram e forçaram-na a entrar em um veiculo quatro portas preto, porém não soube precisar a marca nem o modelo do carro. Os supostos marginais obrigaram-na a ligar para um amigo (de nome Diogo) exigindo a quantia citada e que devido ele (o tal amigo) não ter conseguido o valor, liberaram ela na Praça Alexandre Fleming, região da Vila dos Lavradores.

Diante dos fatos relatados todos foram conduzidos ao Plantão Policial Permanente, onde o citado amigo Diogo (que o agente Machado foi buscar em casa para ser testemunha) informou que há cerca de uma semana tem recebido mensagens via celular pedindo o mesmo valor e ameaçando sua mãe, que reside em outra cidade, de morte.

Após muita conversa Bruna acabou confessando que o sequestro não passou de uma armação, pois seu marido é funcionário do irmão desse seu amigo e que o mesmo lhe deve o valor citado, ou seja R$ 1.200,00. Devido o atraso em seus compromissos financeiros a mesma armou esta encenação para tentar conseguir o dinheiro.

A delegada Ana Carolina de Brito entendeu que a mulher ao acionar a GCM afirmando ter sido seqüestrada denunciou um crime que não havia ocorrido. Por esse motivo elaborou o Boletim de Ocorrência (BO) de falsa comunicação de crime e Bruna, embora tenha sido liberada, deverá responder processo por falsa comunicação de crime.