GCM e Camim intensificam ações da Operação Migrante

Em razão do frio a Guarda Civil Municipal (GCM) intensificou as ações do programa Operação Migrante. Por meio da ronda e de ligações recebidas pelo telefone 199, os agentes identificam pessoas que se encontram em situação de vulnerabilidade social nas ruas e as encaminham à Central de Atendimento ao Migrante Itinerante Municipal (Camim).

Tal ação complementa a campanha “Não dê esmolas, dê oportunidade ao morador de rua”, lançada pela Prefeitura de Botucatu, por meio da Secretaria Municipal de Assistência Social. Ela visa o atendimento humanizado aos migrantes, que muitas vezes se encontram em tal condição por causa do álcool e das drogas.  Dessa maneira, após o atendimento no Camim, os moradores de rua devem receber tratamento adequado para seu problema.

O secretário municipal de Segurança Pública e Direitos Humanos, delegado Adjair de Campos, destaca que as viaturas percorrem todas as praças, viadutos e pontos de permanência dos migrantes e moradores de rua. Lembra que  desde que foi implantada esta operação em 2009 não houve na cidade nenhuma morte por hipotermia de pessoas desvalidas.

 “A GCM identifica pessoas que se encontram em situação de vulnerabilidade social nas ruas e as encaminha ao Camim. Na instituição, elas são recepcionadas com alimentação e um lugar digno para pernoitar. Além disso, são assistidas pela equipe de assistentes sociais, que procura viabilizar tratamento e oportunidades que possam contribuir para que elas melhorem suas vidas”, colocou o secretário.

O comandante geral da GCM, Sérgio Luis Bavia realça que esta época do ano é a mais preocupante já que a previsão para os próximos dias é de madrugadas frias. “A operação visa o atendimento humanizado aos migrantes, que muitas vezes se encontram em tal condição por causa do álcool e das drogas. Para ajudar um morador de rua a encontrar atendimento correto para sua situação, basta ligar para os números 190 (Polícia Militar), 199 (Guarda Civil Municipal) ou (14) 3882-8444 do próprio Camim”, ensina Bavia.

A campanha conta com o apoio das secretarias municipais de Saúde e Segurança e Direitos Humanos, da Guarda Civil Municipal (GCM), Polícia Civil, Polícia Militar, Arquidiocese Metropolitana de Botucatu e Conselho Municipal de Pastores.