Excesso de presos em Cerqueira Cesar pode afetar Botucatu

Mesmo sendo um presídio recém-inaugurado em fevereiro deste ano, o Centro de Detenção Provisória (CDP) de Cerqueira César, para onde os presos de Botucatu e região são encaminhados para aguardar o julgamento, está com sua capacidade acima do normal. A reportagem apurou que o local construído para 768 vagas conta, atualmente, com 942 e a tendência é que esse número chegue a 1.000 nos próximos meses. Com isso, Botucatu poderá diminuir o encaminhamento de presos a Cerqueira Cesar que é de fácil acesso para as visitas dos parentes e buscar alternativas em outros CDPs mais distantes espalhados pelo estado.

Complexo de Cerqueira Cesar que está localizado na zona rural da Cidade, na SP-245 Rodovia Salim Antonio Curiati, na altura do quilômetro 21, foi inaugurado no dia 4 de fevereiro, como parte do projeto do governo estadual de desativação das cadeias das cidades da região que estavam sem as mínimas condições estruturais e físicas de atender a demanda de presos causando a superlotação. Botucatu, São Manuel, Itatinga e Conchas foram alguns municípios que tiveram as cadeias desativadas.

Esse projeto prisional do estado conta com novos complexos prisionais que já estão com as obras em andamento no Estado de São Paulo, entre eles, o da seccional de Botucatu que está sendo construído no Distrito do Lobo, região de Itatinga, ? s margens da SP-280 Rodovia Presidente Castello Branco, no km 228.

A previsão é que esse complexo prisional seja inaugurado no segundo semestre de 2014 para atender a todas as cidades da região cuja demanda é de, aproximadamente, 400 presos. A obra está orçada em mais de mais de R$ 37,8 milhões.

O delegado seccional de polícia de Botucatu, Antônio Soares da Costa Neto, que agrega 11 municípios da região, salienta que a situação dos presos da região só irá solucionar quando o CDO de Itatinga iniciar suas atividades para alojar presos que ainda não foram submetidos a julgamento. “Não podemos parar de prender, mas também temos que ter presídios para colocar os presos. Isso não é só um problema da polícia, é um problema de cunho social que tem que ser enfrentado por todos nós”, destacou o seccional.

O juiz titular da 1ª Vara Criminal da Comarca e juiz/diretor do Fórum de Botucatu, Josias Martins de Almeida Júnior, enfatizou que a instalação do CDP é de fundamental importância para a região, administrado por agentes especializados para cuidar dos detentos. “Não quero dizer que isso eliminaria problemas como rebeliões, mas, seguramente, a fiscalização e o controle disciplinar será feito de maneira mais adequada e os presos monitorados. Além disso, a ressocialização seria mais eficaz”, aponta o magistrado.