Ex-policial militar é absolvida de crime de homicídio tentado

Foto: Valéria Cuter

O Conselho de Sentença (júri popular) formado por quatro homens e três mulheres de diferentes segmentos sociais de Botucatu absolveu a ex-policial militar Priscila de Oliveira Giacomeli, que foi julgada por crime de homicídio tentado, cometido contra Roberto José Giandoni Júnior.

Os jurados acataram a tese defendida em plenário pelo advogado Milton Nogueira Ribeiro Júnior que pediu a desclassificação de homicídio tentado para lesão corporal culposa, que já estava prescrito (que já passou muito tempo após o acontecido e que não pode mais ser julgado). Na presidência dos trabalhos esteve o juiz Marcus Vinícius Bachiega e representando o Ministério Público atuou o promotor de Justiça, Marcos José de Freitas Corvino.

O crime aconteceu em 2003, na Rua Darwin do Amaral Viegas, na Vila dos Médicos. Depois de uma perseguição que teve início na Avenida Dom Lúcio, a vítima que estava em um Fiat Uno, levando um amigo parou em frente sua casa e entrou, fechando o portão.

A policial teria, então, disparado quatro tiros sendo que um deles transfixou o portão e atingiu Giandoni, que por muito pouco não perdeu a vida. Ela alegou que apenas um tiro foi disparado e teria sido acidental. Indiciada em crime de homicídio tentado Priscila foi desligada da corporação da Polícia Militar e ficou aguardando seu julgamento.

Ao final do julgamento ela disse que esperava esse momento há dez anos. “Eu não atirei contra ninguém. Foi um acidente. Estava descendo da viatura quando a arma disparou. Felizmente, os jurados entenderam assim e agora vou ficar em paz comigo mesmo e criar meus filhos”, disse Priscila.