DISE prende rapaz acusado de usar idosa para guardar droga

Leandro Gomes Freire, de 23 anos de idade, conhecido como Leandrinho Amarelo foi preso na manhã desta quarta-feira (6) numa operação desencadeada pelos policiais da Delegacia de Investigações Sobre Entorpecentes (DISE), na Rua Vicente Pimentel nº 48, no Distrito de Rubião Júnior.

Esse cidadão foi apontado como o proprietário de meio quilo de cocaína apreendido no dia 4 de março deste ano, na mesma rua, quando foi presa uma senhora de 63 anos de idade de nome Maria Isaura, que permanece na Cadeia Pública de Itatinga por ter sido indiciada em crime de tráfico de entorpecentes.

Naquela ocasião os policiais tinham conhecimento de que Leandrinho comandava o tráfico de entorpecentes na região de Rubião Júnior. Ele não foi localizado, entretanto, os policiais da delegacia especializada perceberam quando Maria jogou uma sacola plástica por cima do muro em um terreno baldio. Nessa sacola havia 500 gramas de cocaína e dezenas de saquinhos de embalagem. A droga daria para fabricar até 1.500 papelotes de cocaína para venda direta ao usuário.

“Essa mulher, aparentemente, inofensiva acabou sendo presa em flagrante e vai responder por crime de tráfico de entorpecentes. Ela revelou que era obrigada a guardar a droga para esse rapaz (Leandrinho) que está sendo investigado por crime de tráfico e será responsabilizada pela droga”, adiantou o delegado adjunto da DISE, Paulo Buchignani, quando efetuou a prisão da mulher.

O inquérito policial foi presidido pelo delegado titular da DISE, Carlos Antônio Importa Julião Filho, que pediu a prisão preventiva de Leandrinho por tráfico de entorpecentes. O pedido foi acatado pela juíza titular da 2ª Vara da Comarca, Adriana Tayano Fanton Furukawa, que expediu o mandado de prisão no final da tarde desta terça-feira. Nas primeiras horas da manhã de quarta-feira os investigadores invadiram a casa de Leandrinho e o acordaram com a voz de prisão.

“Com a prisão desse cidadão fechamos este caso. Ele deverá responder por crime de entorpecentes que prevê uma pena que varia de cinco a 15 anos de reclusão. Nesse caso específico ele deverá ter a pena aumentada de 1/6 a 2/3, em razão do tráfico estar ocorrendo nas proximidades de uma escola pública e de um posto de saúde”, frisou Julião Filho.