DISE prende homem de 53 anos que traficava no Peabirú

Os investigadores Pelares, Rossi, Valmir e João, da equipe especializada da Delegacia de Investigações Sobre Entorpecentes (DISE), tendo no comando o delegado Paulo Buchignani, realizaram uma operação que terminou com a prisão de um senhor de 53 anos de idade, chamado Adolfo Alves Siqueira Neto.

A operação teve início com o investigador Pelares que, em trabalho de campana (observação) pela Rua José Miguel Salomão, região do Jardim Peabiru, percebeu que Siqueira Neto após ser abordado por transeuntes, entrava em um terreno baldio apanhava a droga e entregava aos usuários. A ação do homem foi gravada.

Ao ter a certeza de que estava ocorrendo o tráfico naquele local, Pelares acionou os outros policiais da DISE que abordaram o homem no interior de um bar. Ao receber voz de prisão ele não esboçou nenhuma reação e confirmou que estava traficando por aquela região.

No terreno baldio onde Siqueira Júnior foi filmado entrando e saindo, constantemente, os investigadores localizaram 91 porções de maconha e cinco papelotes de crack, já embrulhadas com plástico, prontas para venda direta ao usuário. Além da droga os policiais apreenderam R$ 279,00, em dinheiro, proveniente de vendas.

Segundo o próprio indiciado, ele entrou para o tráfico de entorpecentes há apenas seis meses e ganhava de acordo com a quantidade de droga que vendia, mas não revelou a origem do entorpecente.

“Recebo (a droga) pronta, mas não sei de onde ela vem, nem quero saber. Ganho por comissão, mas não recomendo esse tipo de coisa (traficar) pra ninguém. Tenho sete filhos. O mais velho com 24 anos e o mais novo com 3. Quando sair dessa nunca mais quero traficar porque não vale ? pena e a qualquer momento a gente cai na mão da polícia e ai a coisa complica”, desabafou o homem.

O delegado Paulo Buchignani ressaltou que, embora não tenha sido apreendida uma grande quantidade de droga, esse senhor vendia maconha e crack todos os dias naquela região. Agora o trabalho consiste em detectar de onde esta droga vinha.

“Estamos levantando alguns dados e buscando pistas para descobrir para quem esse senhor vendia. Temos alguns indícios e nas próximas horas poderemos ter novidades”, disse Buchignani, que determinou o recolhimento de Adolfo Siqueira Júnior ? Cadeia Pública local. Para os condenados em crime de tráfico a pena varia de cinco a 15 anos de reclusão.

Fotos: Jornal Acontece Botucatu