DISE faz a maior apreensão de haxixe da história da cidade

Um trabalho desencadeado pela Polícia Civil de Botucatu, através da Delegacia de Investigações Sobre Entorpecentes (DISE), culminou com a apreensão de uma grande quantidade de drogas, inclusive 12 tabletes de pasta base de haxixe, pesando 3,100 kg, a maior apreensão deste tipo de droga já registrada na região. Além do haxixe, os investigadores apreenderam 1,230 kg de crack e 4,500 kg de maconha, totalizando quase 10 quilos de droga e uma balança de precisão.

A operação aconteceu na Rua 11, nº 530 na Cohab I, onde foi preso Robson Guilherme Souza Gonçalves, de 22 anos de idade. Ele mantinha toda essa droga em diferentes móveis do seu quarto e quando a polícia invadiu a casa ele ainda tentou reagir, mas foi dominado e algemado, recebendo voz de prisão. Os investigadores também tiveram que dominar um cão da raça pitbull que guardava o quintal daquela casa.

Segundo avaliação do delegado Paulo Buchignani, essa droga é oriunda do Paraguai e Bolívia e entra ao Brasil, clandestinamente, pela fronteira, sendo distribuída aos estados. “O haxixe é uma droga rara e muito cara. Por isso, não é apreendida com freqüência, diferentemente, do crack e maconha que são drogas comuns. Eu mesmo nunca tinha feito uma apreensão tão volumosa como esta”, ressaltou o delegado Paulo Buchignani, lembrando que o haxixe é derivado da mesma planta com a qual se fabrica maconha, porém cinco vezes mais potente.

Disse que para chegar até esta droga foi feito um trabalho investigativo minucioso, sem revelar detalhes da operação. “Isso requereu horas de campana com nossos abnegados investigadores trabalhando após o horário do expediente, muitas vezes varando a madrugada. Contamos, também, com apoio do nosso delegado titular Dr. Julião (Carlos Antônio Improta Julião Filho), do Ministério Público e do Poder Judiciário que são nossos parceiros”, frisou o delegado.

Depois de prestar depoimento e ser enquadrado em flagrante de tráfico de entorpecentes Robson Gonçalves, foi recolhido ? Cadeia Pública de Botucatu e poderá ser condenado a uma pena que varia de 5 a 15 de reclusão. Revelou que estava guardando a droga para outra pessoa (não disse o nome) há cerca de uma semana e receberia R$ 500,00.

“Estava precisando de dinheiro para pagar a mensalidade do meu carro e aceitei guardar essa droga no meu quarto, mas ninguém de casa sabia. Foi um choque muito grande para minha mãe quando viu a polícia me levando algemado. Infelizmente, acabei dando esse desgosto a ela”, lamentou o indiciado. “Se eu pudesse voltar atrás pensaria cinco vezes antes de mexer com isso. Não aconselho ninguém a fazer isso, pois uma hora ou outra polícia acaba pegando”, aconselha.

Ele garante que não é traficante e só aceitou a guardar a droga porque precisava de dinheiro. “Foi um gesto impensado, mas ninguém sabia de nada. Não podia imaginar que ia ser descoberto, mas, de repente, você dá de cara com a polícia invadindo sua casa dando a prisão. Não deu tempo pra nada. Agora tenho que arcar com as conseqüências. Sinto pela minha mãe, pela minha família, pela minha namorada que estão sofrendo por minha causa”, finaliza.

{n} Fotos: Jornal Acontece Botucatu

{bimg: 23648:alt=interna1:bimg}