DISE faz a apreensão de mais de 9 kg de maconha

Fotos: Luiz Fernando

 

Uma operação realizada pelos policiais especializados da Delegacia de Investigações Sobre Entorpecentes (DISE) resultou na prisão de uma mulher e dois homens que foram enquadrados em flagrante de tráfico de entorpecentes que faculta aos condenados uma pena que varia de 5 a 15 anos de reclusão.

Através de um trabalho investigativo os policiais tomaram conhecimento das características de uma mulher que estava trazendo entorpecentes de São Paulo para Botucatu e fizeram campana nas proximidades do Terminal Rodoviário. Essa mulher identificada como Tamires Werneck, de 22 anos, após descer do ônibus, se aproximou de um veículo modelo Astra, com placas de Botucatu, com duas pessoas, carregando uma mala.

Antes que a mala fosse colada no porta-malas do carro os policiais deram voz de prisão em flagrante. Nesse Astra estava Israel Bruno Faria, o Canen, de 29 anos e Paulo Madger Inácio, de 21 anos.  Todos receberam voz de prisão em flagrante e foram conduzidos à DISE, sendo assistidos pelo advogado Yves Patrick Pescatori Galendi. Na mala havia 9,175 kg de maconha, dividida em doze tabletes, dentro de bexigas coloridas (amarela e verde).  Com essa droga seria possível fabricar 9 mil “parangas” para venda aos usuários.

“Sabíamos que a droga chagaria através dessa mulher e aguardamos em local estratégico para dar o flagrante. Os dois que estavam no carro são conhecidos da polícia e chefes do tráfico da região da Cohab IV”, disse o delegado Paulo Buchignani. “Nesse trabalho contamos com nosso delegado titular, doutor Julião (Carlos Improta Filho) e todos os demais policiais da DISE, que mais uma vez mostraram muita competência no trabalho”, emendou.

A mulher que veio a Botucatu com o filho de pouco mais de um ano alegou que o trabalho de ”mula” lhe renderia R$ 1.000,00, mas não revelou de quem pegou a droga. “Eu tinha que vir a Botucatu de ônibus e entregar a droga para uma pessoa que sabia como eu estava vestida, com uma mala e com uma criança no colo. Não conheço ninguém nessa cidade, nem sei a quantidade de droga que havia na mala. Não tenho com quem deixar meu filho e o pai dele está preso”, disse. A criança foi entregue ao Conselho Tutelar de Botucatu.