Diretor do Deinter-7 enaltece o trabalho da DISE

José Aparecido Sanches Severo, diretor da Delegacia do Interior da 7ª Região (Deinter-7) que tem sede em Sorocaba e atende a 79 municípios e cinco delegacias seccionais (entre elas a de Botucatu que agrega 13 municípios) esteve acompanhando pessoalmente o desdobramento uma das maiores apreensões de maconha já feitas na região pela Delegacia de Investigações Sobre Entorpecentes (DISE) de Botucatu.

Severo fez questão de viajar a Botucatu,  tomou conhecimento de como a operação foi desencadeada e parabenizou o delegado seccional Antônio Soares da Costa Neto, assim como toda a equipe da DISE que esteve empenhada nessa mega operação sob a coordenação do delegado titular Paulo Fábio Buchignani e do adjunto Mauro Sérgio Rodrigues dos Santos.

A operação da DISE de Botucatu foi destaque em diferentes meios de comunicação do estado, pois, além da apreensão ser bastante significativa, foi detectado uma conexão interestadual de tráfico que tinha o rapaz preso na operação, Cássio Rodrigo de Oliveira,  de 25 anos, como uma das principais “peças”  do esquema. Ele se “disfarçava”  trabalhando de motorista com carteira assinada em empresas de transporte de grande porte para “carregar” droga. Só em Botucatu ele confessou ter deixado no final do ano passado, dois carregamentos de maconha que totalizaram 800 quilos.

Em entrevista o delegado Paulo Buchignani relatou que foi um trabalho de quatro meses feito pelo setor de Inteligência da delegacia especializada. Para realizar o flagrante os policiais iniciaram o trabalho às 3 horas da madrugada de terça-feira no Mato Grosso do Sul e só encerraram às 19h45, no km 217 da SP-280 Rodovia Presidente Castello Branco, no trevo de entrada de Itatinga. A maconha (1,4 toneladas) estava acondicionada em um caminhão frigorífico com carregamento de 15 toneladas de carne.

Até o próprio indiciado que relatou que iria receber R$ 70 mil para levar a droga até Sorocaba (para depois ser transferida em outro veículo para o Rio de Janeiro), teceu elogios aos policiais. “Eles foram muito astutos. A gente pensa que nunca vai ser descoberto, porque nessa rodovia passam  milhares de caminhões, iguais ao que eu estava, todos os dias. Mérito pra eles!”