DIG recupera 37 leitões furtados de fazenda em Botucatu

Um trabalho realizado pelos policiais civis Marcos Franco e Vitor, juntamente com o delegado Geraldo Franco Pires, da equipe especializada em esclarecimento de furtos e roubos da Delegacia de Investigações Gerais (DIG), terminou em recuperação de 37 leitões (de, aproximadamente, 12 quilos cada um), que foram furtados da Fazenda Córrego Fundo, região do Jardim Monte Mor, zona rural de Botucatu.

A investigação começou quando o produtor rural João Antônio Ferreira da Silva, procurou a delegacia relatando que ladrões não identificados haviam invadido a fazenda e furtado 60 leitões, que estavam sendo preparados para venda de fim de ano. O trabalho investigativo levou os policiais até a Chácara Miguel D´Água, que fica no Bairro São Geraldo, em São Manuel. No chiqueiro estavam 37 cabeças dos leitões furtados em Botucatu.

“Detectamos que os porcos haviam sidos levados até São Manuel, por um cidadão chamado André José da Silva, de 33 anos de idade, já conhecido nos meios policiais por crime de receptação e deixados nessa chácara que pertence ao seu pai. O próprio caseiro da chácara nos informou que os leitões haviam sido trazidos por André”, relata Marcos Franco.

Os policiais também descobriram que os porcos foram levados da fazenda por um caminhão de pequeno porte e antes de serem transportados para São Manuel, passou a noite na casa de André Silva, na Rua Raimundo Puty, no Distrito de Rubião Júnior e a carroceria do caminhão foi coberta para esconder a carga de animais.

“Ele revelou que furtou os porcos da fazenda por estar embriagado e acabou levando para a chácara de seu pai, dizendo que havia comprado os animais. “O crime foi esclarecido e o impasse está na quantidade de porcos furtados. O proprietário diz que eram 60 leitões, mas André alega que levou “apenas” as 37 cabeças”, disse o policial Vitor.

Marcos Franco entende que os leitões seriam comercializados na região e poderiam ter sidos encomendados. “O tamanho e peso dos leitões são ideais para as festas de fim de ano e ele não teria dificuldade em efetuar a venda. Acreditamos que tinha encomendas e sabia onde entregar os leitões. Felizmente, o caso foi esclarecido e os animais devolvidos ao proprietário”, finalizou o policial da DIG.