DIG prende “mentor intelectual” de assalto a bares

Nesta quinta-feira (3) um trabalho desenvolvido pelos policiais especializados da Delegacia de Investigações Gerais (DIG), sob o comando do delegado Geraldo Franco Pires, resultou na prisão de um cidadão chamado Marcos Antônio Mariano Leite, de 31 anos de idade, conhecido como Ratinho. Ele é apontado como o mentor intelectual de uma série de roubos que foram cometidos contra bares nos últimos dias em diferentes pontos da cidade.

“Era ele quem fazia o levantamento do cotidiano dos bares para conhecer o movimento e saber a melhor hora de atacar. Também vinha dele o revólver, a motocicleta e os capuzes que eram utilizados. Foram, pelo menos, cinco bares atacados por este grupo”, apontou Franco Pires, salientando que o indiciado foi preso em uma casa na Rua Amando de Barros, no Bairro do Lavapés.

Ratinho nega ser ele o “cérebro” do grupo. “Minha participação foi fazer a besteira de emprestar o revólver a um cidadão (não disse o nome), mas não sabia onde iria usar. A arma já entreguei pra polícia. Não estive em nenhuma dessas “fitas” e já paguei o que devia pra Justiça”, disse Ratinho se referindo aos quatro anos que ficou preso, condenado por crime de tráfico de entorpecentes.

Foto: Valéria Cuter

{n}{tam:25px}Outros dois {/n}{/tam}

{bimg:43763:alt=interna:bimg}

O delegado revela que os outros dois comparsas de Ratinho já foram identificados e na semana passada foi preso Luiz Fernando Rodrigues, de 18 anos de idade, alcunhado de Sapinho, numa ação conjunta realizada pelas forças de segurança da Cidade, formada pela Polícia Militar (PM), Polícia Civil e Guarda Civil Municipal (GCM).

Esse rapaz que permanece preso é bastante conhecido nos meios policiais e já esteve internado por nove meses na Fundação do Centro de Atendimento Socioeducativo ao Adolescente (CASA), por envolvimento com o tráfico de entorpecentes. Estava com duas pedras de crack e vários saquinhos usados para embalagem de entorpecentes. Também trazia consigo R$ 540,00, referente a parte do dinheiro dos assaltos.

“Estamos agora empenhados em efetuar a prisão do terceiro elemento que teve participação nos assaltos. Recebemos a informação de que estaria na mesma residência onde prendemos o Ratinho, mas não localizamos”, disse o delegado da DIG, lembrando que a população colaborou com o trabalho da polícia passando informações anônimas. O nome do procurado é Daniel Nunes dos Santos, de 30 anos, conhecido como Japa. “Sua prisão é uma questão de tempo”, sacramentou Franco Pires.