DIG está no encalço de assassino do corretor

O delegado Geraldo Franco Pires, da Delegacia de Investigações Gerais (DIG) está no comando das investigações para elucidar a morte do corretor de imóveis Laurindo Pires Marques, de 68 anos de idade, encontrado morto pela Guarda Civil Municipal (GCM) na tarde do último dia 27 de abril. Ele estava caído em uma estrada de terra num canavial ao lado de uma caminhonete Montana, placas DZI-2246, de Botucatu, no final da Avenida Prefeito Joaquim Amaral Amando de Barros, no Jardim Cambuí.

Marques trazia no pescoço marcas de asfixia mecânica (estrangulamento), assim como seus pulsos estavam feridos, como se tivesse sido amarrado. Outra hipótese levantada é que o homem teria sido assassinado em outro local e jogado na estrada, já que havia sinais de que teria sido retirado do veículo Montana e arrastado até o canavial.

“Estamos levantando dados sobre a vida da vítima ouvindo pessoas que a conheciam para sabermos se tinha inimigos ou desavenças pessoais, pois a hipótese mais provável é que foi um crime de vingança”, observou o delegado. “Todas as hipóteses estão sendo levantadas para que o autor (ou autores) desse crime seja identificado e preso”, acrescentou Pires.