DIG e Gape localizam “paciente” acusado de homicídio

Ação conjunta deu-se na região do Jardim Aeroporto, onde um indivíduo de 48 anos acusado de assassinato foi encaminhado ao hospital de custódia por ter problemas psiquiátricos

 

Os policiais civis Vergílio e Eliandro da equipe da Delegacia de Investigações Gerais (DIG) e os guardas municipais inspetor Pichinin,  Nogueira, Lourenço e Zambonato do Grupo de Ações Preventivas Especiais (Gape)  efetuaram o cumprimento de um mandado de internação judicial.

A ação conjunta deu-se na região do Jardim Aeroporto, onde um indivíduo de 48 anos acabou sendo localizado, já que pesava contra ele o referido mandado de internação judicial expedido pelo juiz da 1ª Vara Criminal da Comarca, Josias Martins de Almeida Júnior, para que fosse recolhido a um hospital de custódia onde ficam presos com problemas psiquiátricos.

Pesa contra esse cidadão um crime de homicídio, artigo 121 do Código Penal Brasileiro e ele foi recolhido, provisoriamente, na Cadeia Pública de Itatinga,  aguardando vaga para ser transferido ao Hospital Franco da Rocha, em São Paulo, especializado para tratar de pessoas que cometem os mais variados tipos de crimes e não podem ser recolhidos em presídios comuns.

Esse tipo de internação em hospital de custódia é para as pessoas que praticam crimes e que, por serem portadores de doenças mentais, não podem ser considerados responsáveis pelos seus atos e a lei entende que devem ser tratados como doentes e não punidos. Antes da determinação judicial a pessoa passa por uma triagem médica criteriosa.