Delegado exonerado vai entrar com ação de recurso

O delegado Celso Taira, ficou bastante abatido com a decisão de Corregedoria de Polícia Civil em tirar seu cargo sob acusação de crime eleitoral. Uma pessoa bastante ligada a ele encaminhou um comunicado ? redação do jornal Acontece e, posteriormente, por telefone, alegando que Taira se sentiu prejudicado com a decisão da Corregedoria e irá recorrer. Disse que preferiria que seu nome não fosse divulgado, fornecendo todos os seus dados pessoais, mas deixou esse critério (identificação) para a redação decidir.

“Quem conhece o Dr. Taira como nós conhecemos sabe de sua idoneidade e caráter. A reportagem não errou, pois a matéria foi esclarecedora e colocou a realidade do ocorrido. Porém, o caso ainda cabe recurso. Ele apenas emprestou um carro velho apreendido que não estava sendo usado para fins políticos, mas acho que a falta não foi tão grave assim para lhe tirarem o cargo que defendeu com muita dignidade há 18 anos. Nesse tempo todo ele foi um profissional exemplar e honrado. Por um pequeno deslize julgaram um cidadão que serviu o Estado por anos e anos a fio”, destacou.

Ele ainda revelou que Celso Taira, candidato a vereador em Itatinga, deverá ter uma votação histórica. “Essa decisão da Corregedoria não vai abalar o trabalho que foi feito, mas ele está se sentindo injustiçado com a rigidez da punição e a população de Itatinga sabe quem ele é. Eu, pessoalmente, não vou dizer que foi certo a história do carro e ele também tem consciência disso, mas também não era pra tanto”, coloca.

Acredita que a punição foi muito severa e a ação de recurso vai poder esclarecer alguns pontos importantes. “Para mim todo cidadão é honesto até que se esgotem todos os recursos legais. As providencias estão sendo tomadas e continuo a acreditar que a justiça se fará”, concluiu.

{n}A matéria{/n}

A notificação do desligamento de Celso Taira da Polícia Civil foi feita pelo delegado seccional de polícia, Antônio Soares da Costa Neto, depois de uma investigação feita pela Corregedoria da Secretaria Estadual de Segurança Pública. 0 fato que gerou a sentença e que acabou tirando Taira da Polícia Civil, aconteceu na campanha de 2008 quando exercia sua função de delegado e não nessa campanha onde concorre a vereança itatinguense.

Na ocasião dos fatos, o então delegado, em apoio a um candidato, permitiu que um carro que era produto de apreensão da polícia fosse entregue para ser adesivado com propaganda eleitoral. A denúncia contra o delegado foi feita de maneira anônima, com muitas imagens da campanha eleitoral de 2008. O caso foi investigado e correu em sigilo até que a decisão da Corregedoria fosse tomada tirando o cargo de delegado de Taira, sendo a decisão publicada esta semana no Diário Oficial do Estado (DOE).