Delegacia Seccional inicia Campanha do Desarmamento

Nesta quarta-feira (3), a partir das 9 horas será deflagrada na região de Botucatu a Campanha de Desarmamento que está sendo realizada a nível nacional, pelo Ministério da Defesa, com a finalidade de tirar armas de circulação. O slogan da campanha é “Tire uma arma do futuro do Brasil”.

O delegado seccional de polícia, Antônio Soares da Costa Neto, que responde pela administração de 11 municípios da região, revela que para atrair a população, a Polícia Federal realizou mudanças no protocolo de entrega das armas.

“Por exemplo, as indenizações que antes eram pagas em até 30 dias, agora são disponibilizadas em no máximo 24 horas. Além disso, o cidadão não precisa mais se identificar no momento de fazer a entrega”, disse o seccional. “Além da indenização rápida, as armas serão inutilizadas no momento da entrega para impedir que voltem a ser utilizadas. Posteriormente, elas serão encaminhadas ? Polícia Federal para o descarte total”, acrescenta.

Para Soares Neto, falta mais conscientização da população quanto ? importância do desarmamento. “O cidadão ainda tem aquela distância para os órgãos de segurança pública. Então, talvez ainda não se sinta muito ? vontade para procurar uma unidade policial com uma arma. Mas só faz isso quem é realmente um cidadão de bem, um cidadão honesto”, compara.

Ele salienta que qualquer pessoa que queira entregar uma arma de fogo deve se dirigir a delegacia seccional e retirar uma guia de trânsito (protocolo) para fazer o transporte da arma. Com ela (guia), o transporte da arma de fogo pode ser feita de forma legal, mas é importante que a mesma esteja descarregada e embalada.

De posse deste documento, o cidadão deve se dirigir a uma das agências ou caixas eletrônicos do Banco do Brasil e o valor a ser pago pode variar conforme a arma de fogo. Será de R$ 100,00 (garruchas e espingardas), R$ 200,00 (revólveres) e R$ 300,00 (pistolas).

“A identificação de quem quiser entregar sua arma na delegacia seccional não é obrigatória”, diz o seccional. “Se alguma munição também for entregue, é importante que seja transportada separadamente da arma e as munições não serão indenizadas”, acrescenta.

Vale lembrar que a atual campanha é a terceira realizada pelo Ministério da Justiça. Nas duas anteriores (em 2003/2004 e 2008/2009) foram entregues, respectivamente, 460 mil e 40 mil armas. No período, de acordo com o Ministério da Saúde, o número de homicídios por armas de fogo caiu 11% no país.

Estima-se que existam cerca de 16 milhões de armas circulando no País, das quais pouco menos da metade (7,6 milhões) pertenceriam ? s forças de segurança do governo, e quase metade estaria em situação ilegal.