Delegacia de Entorpecentes faz apreensão de 15 quilos de maconha

Numa operação que teve início por volta das 20 horas de segunda-feira e só foi encerrada ? s 5 horas da manhã desta terça-feira, os policiais especializados da Delegacia de Investigações Sobre Entorpecentes (DISE), fizeram a apreensão de 15 quilos de maconha, um quilo de crack e a quantia de R$ 2.000,00 em dinheiro.

Nesta operação foram presas três pessoas: Bruno Alves de Oliveira, 29, Paulo Henrique Nizoli, 21, o PH (ambos saíram recentemente da cadeia por crime de tráfico) e um terceiro elemento de nome Marcos da Rocha, 21, que até então não tinha passagens e era o proprietário do carro Corsa Sedan, com placas de Lençóis Paulista, que carregava a droga apreendida.

Segundo o delegado Paulo Buchignani, esses elementos estavam sendo monitorados há vários dias e através de um trabalho investigativo a polícia teve o conhecimento de que eles iriam até a cidade de Bauru, buscar droga para vender em Botucatu. “Através de um trabalho investigativo, nós sabíamos que eles tinham saído de Botucatu para buscar a droga em Bauru e elaboramos uma operação para interceptá-los durante o trajeto. Felizmente, a operação deu certo”, relata Buchignani.

O delegado lembra que o cerco foi montado na rodovia Marechal Rondon nas proximidades da cidade de Areiópolis, no km 287, e quando o condutor do Corsa percebeu que a polícia estava na rodovia entrou por uma estrada de terra em meio a um canavial em alta velocidade. Foi feito a perseguição e o carro acabou sendo interceptado. No porta-malas do Corsa foi localizado 15 quilos de maconha. Prosseguindo o trabalho investigativo, os policiais da delegacia especializada apreenderam mais um quilo de crack e R$ 2.000,00 que estava na casa de um dos elementos envolvidos no crime (Bruno Alves).

Os três elementos receberam voz de prisão e encaminhados ? DISE onde o Boletim de Ocorrência foi elaborado, sendo enquadrados em crime de tráfico de entorpecentes e recolhidos ? Cadeia Pública, onde permanecem ? disposição da Justiça. Para o crime de tráfico de entorpecentes a lei prevê uma pena que varia de cinco a 15 anos de reclusão.

“Infelizmente, o tráfico está crescendo muito em Botucatu e existe hoje um número muito grande de pessoas envolvidas com entorpecentes, mas a quantidade de usuários é muito grande e está em ritmo crescente. Então, sempre que um traficante é tirado de circulação, outro acaba ocupando o seu lugar”, observou Buchignani. “A polícia procura fazer o papel que lhe cabe que é investigar e prender as pessoas que se envolvem com o tráfico e dar subsídios para que a Justiça aplique as penas cabíveis para cada caso”, acrescentou o delegado da DISE.