Defesa Civil atende problemas causados pelas chuvas

Fotos: Valéria Cuter

A Defesa Civil do Município teve muito trabalho com as chuvas que desabaram sobre o Município na noite desta quinta-fera (13) gerando conflitos em diferentes regiões da cidade e alguns alagamentos, inundações, desabamentos de muros e perdas materiais. Embora a chuva tenha caído forte e constante, não houve ventania que poderia ocasionar destelhamento de casas e quedas de árvores.

Em alguns pontos da cidade chegou a faltar energia elétrica, quando a chuva caiu com mais intensidade. Os casos mais comuns foram relacionados a alagamentos de ruas em alguns pontos como a Avenida Dante Delmanto, Elevado Bento Natel e a Avenida Vital Brazil, com o transbordamento do Rio Água Fria, na região do Terminal Rodoviário.

O coordenador da Defesa Civil do Município Paulo Renato da Silva, esteve visitando alguns pontos atingidos. “Ainda não tenho o levantamento completo, mas sabemos que quando chove forte, famílias são afetadas. A gente lamenta os danos causados e agora vamos procurar prestar nosso apoio e a ajuda necessária”, colocou.

A preocupação maior da Defesa Civil é com relação as pessoas que moram em locais de riscos, próximas a barrancos ou ribeirões. Lembra que foi iniciado o “Plano Preventivo de Verão”, que se prolongará até o mês de março de 2013. Será um conjunto de ações baseado no acompanhamento das chuvas (de verão), permitindo tomar medidas preventivas que evitem ocorrências graves e até fatais. Estação caracteriza-se por chuvas fortes, muitas vezes, excessivamente, prolongadas ou acompanhadas por raios e vendavais, que geram prejuízos econômicos e sociais.

“É neste período que a região sofre com a intensidade de fortes pancadas de chuva, gerando uma série de problemas como alagamentos, deslizamento de terra, destelhamento de casas, desabamentos, inundações, enxurradas, queda de árvores, entre outras situações de risco. Por isso nossa atenção é redobrada”, frisa o coordenador.

Cita que também está sendo feito um trabalho de conscientização para que municipalidade colabore com o intuito de minimizar o problema não desmatando as margens dos rios ou jogando objetos plásticos e madeiras em locais inadequados que acabam sendo levados pela enxurrada. “Estamos desenvolvendo as ações de monitoramento meteorológico, pluviométrico e vistorias técnicas em áreas de risco com o intuito de prevenir e minimizar as conseqüências típicas geradas pelas chuvas”, enfatiza.