Crime de tentativa de homicídio será levado a júri popular

O juiz substituto da 2ª Vara da Comarca de Botucatu, Edson Lopes Filho preside nesta quinta-feira (20) a partir das 9 horas, mais um júri popular no auditório da Ordem dos Advogados do Brasil – Subsecção de Botucatu, quando Gilmar Roberto da Cruz senta-se no banco dos réus para ser submetido ao crivo de um júri popular por ter sido denunciado em crime de tentativa de homicídio cometido contra Ademir dos Santos Corrêa. O crime aconteceu no dia 08 de março de 2002, na Rua Adeadato Faconti, Nº 466, região do Jardim Brasil.

Consta na denúncia formalizada pelo promotor Marcos José de Freitas Corvino, que no dia do crime Ademir Santos teria assediado a amásia de Gilmar Cruz e este teria apanhado um revólver calibre 38, indo até a casa do acusado e efetuado cinco disparos sendo que dois deles atingiram o tórax e o braço. O baleado foi socorrido até o Pronto Socorro (PS) da Unesp, onde passou por uma intervenção cirúrgica e escapou com vida. Na ocasião, o autor dos disparos fugiu.

Foram convocadas pela Justiça 25 pessoas de diferentes segmentos sociedade de Botucatu e 07 delas serão sorteadas para formar o Conselho de Sentença que irá decidir a culpabilidade do réu. O representante do Ministério Público será o promotor Marcos José de Freitas Corvino.

O advogado criminalista Milton Nogueira Ribeiro Júnior foi designado para defender o réu e poderá usar a tese de legítima defesa, já que pode alegar que foi uma briga onde “o acusado se defendeu de uma injusta agressão” e trabalhar em plenário pela absolvição.

Foto: Valéria Cuter