CPI-7 comemora o 59º aniversário da Polícia Feminina

 

Diversas policiais femininas do 12º Batalhão de Polícia Militar do Interior (BPM-I), de Botucatu estiveram presentes no Dia da Policial Militar, solenidade coordenada pelo Comando do Policiamento do Interior da 7ª Região (CPI-7) que aconteceu no Clube dos Comerciários, em Sorocaba. Foram várias homenagens para comemorar o 59º Aniversário da Polícia Feminina do Estado de São Paulo durante o 10º Encontro da Mulher Policial. O CPI-7 engloba 79 municípios e conta com mais de 280 policiais femininas.  Entre as homenageadas de Botucatu estiveram a sargento Márcia Lázaro e a cabo Maria de Fátima Dias. Também foram homenageadas policiais femininas de todos os sete batalhões que agregam o CPI-7.

Vale lembrar que a sargento Márcia Lázaro teve uma homenagem especial em razão de ter sofrido um grave acidente em cumprimento do trabalho no início do ano passado permanecendo vários dias internada na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do Hospital das Clínicas de Botucatu, correndo risco de vida.  Na ocasião ela estava com o soldado Rafael Panhoça fazendo a escolta de um preso para Bauru quando um veículo Fox saiu de uma estrada rural e cortou a frente da viatura. Sem ter como evitar o acidente, Panhoça acabou colidindo contra a parte frontal do Fox.

De acordo com o comandante do CPI-7, coronel PM Cesar Augusto Luciano Franco Morelli,   o objetivo desse evento é homenagear todas as mulheres que fazem parte do CPI-7 e lembrar a data de 12 de maio de 1955, quando houve o ingresso da mulher na atividade de segurança pública uniformizada do Estado de São Paulo. Em Sorocaba, o início das mulheres na corporação ocorreu na década de 1980.

A primeira mulher a ingressar na corporação foi a coronel PM Hilda Macedo, que começou com trabalhos sociais e logo passou a exercer funções operacionais. Antes as mulheres não iam às ruas, mas ganharam espaço e hoje são vistas de forma igualitária aos homens.

Uma das mulheres que comandou o CPI-7,  coronel PM Fátima Ramos Dutra, que no ano passado recebeu homenagem conta que a experiência em trabalhar no mais elevado cargo da corporação fez com que se aproximasse mais da população.  Lembrou que a situação das mulheres na Polícia Militar melhorou muito com o passar dos anos.

“Em 1955, quando as mulheres começaram a trabalhar na PM, existiam 13 policiais femininas. Hoje são mais de 10 mil. Sem contar que hoje a mulher atua em todas as atividades e funções administrativas e operacionais. A mulher PM é igual a qualquer mulher. Sempre incentivo nossas policiais a estarem bonitas, se cuidarem. As mulheres estão cada vez mais galgando posições de liderança. Elas são sentimentais, mas precisam se fazer respeitar”,  disse a coronel.