Coruja “buraqueira” é resgatada e levada ao Cempas

O Centro de Medicina e Pesquisa em Animais Selvagens (Cempas), recebeu uma espécie de ave conhecida como coruja buraqueira, resgatada pelos agentes do Grupo de Patrulhamento Ambiental (GPA) da Guarda Civil Municipal (GCM) com os agentes inspetor Carlos  e agente Marcos;

Os guardas foram acionados para comparecerem até a Rua Domingos Garcia, Vila Jardim, onde a ave, aparentemente, ferida foi resgatada e encaminhada ao Cempas, ficando aos cuidados da equipe de médicos veterinários coordenados pelo professor doutor Carlos Teixeira, onde passará por análise e receberá o atendimento necessário.

Essa espécie de coruja  também chamada coruja-do-campo recebe o nome de "buraqueira" por viver em buracos cavados no solo. Embora seja capaz de cavar seu próprio buraco, prefere os buracos abandonados de outros animais, como os dos tatus. É uma coruja terrícola e de hábitos diurnos, embora tenda a evitar o calor do meio-dia.

Ocorre em quase todo o Brasil e chegam a medir até 27 centímetros de comprimento. Vivem, no mínimo, nove anos em habitat selvagem e dez em cativeiro. Coloca geralmente de seis a doze ovos. Costumam viver em campos, pastos, restingas, desertos, planícies, praias e aeroportos. Os predadores documentados dessa coruja incluem texugos, serpentes e doninhas.