Condenado é capturado após ficar oito anos foragido

Foto – Divulgação

Cidadão havia conseguido o benefício da saída temporária, conhecida no dialeto carcerário como “saidinha”, do Dias dos Pais do ano de 2007 e não retornou no dia e hora determinados pela carceragem

 

Numa fiscalização de rotina pela Praça Emilio Pedutti – Bosque,  área central da cidade, realizada nesta segunda-feira,  os policiais militares cabo Capeluppi e soldado Rodrigo depararam-se com um veículo Voyage com dois indivíduos em seu interior que despertaram suspeitas.

Ao pesquisar os antecedentes dos dois homens via Companhia Processamento de Dados do Estado de São Paulo  (Prodesp), constatado que o passageiro do veículo era procurado da justiça com condenação por crime de tráfico de entorpecentes e associação ao tráfico, artigos 24 e 14, respectivamente, do Código Penal Brasileiro.

O interessante dessa ocorrência policial é que esse cidadão havia conseguido o benefício da saída temporária, conhecida no dialeto carcerário como “saidinha”, do Dias dos Pais do ano de 2007 e não retornou no dia e hora determinados pela carceragem. Em razão disso permaneceu oito anos foragido. Ele foi conduzido à Delegacia de Investigações Gerais (DIG) onde o Registro Digital de Ocorrência (RDO) foi elaborado para que  fosse conduzido ao Centro de Detenção Provisória (CDP) de Pirajú.

A saída temporária é um benefício que está inserido na Lei de Execuções Penais,  que visa a ressocialização do detento e depende de autorização judicial, sendo concedida em datas específicas do ano, como:  Dia das Crianças,  Páscoa, Finados, Dia dos Pais, Dia das Mães, Natal/Ano Novo, sendo esta última a mais longa de todas.

A autorização é concedida pelo juiz aos condenados que cumprem pena em regime semiaberto. Se o preso não retornar à unidade prisional em data e horário especificado pela carceragem passa a ser considerado foragido e perde automaticamente o benefício do regime semiaberto e, quando recapturado, volta ao regime fechado.