Comemoração corintiana não registra ocorrências policiais

Foto: Valéria Cuter

Ao contrário do que se podia esperar, a comemoração dos torcedores botucatuenses corintianos, embora bastante animada, não teve ocorrências graves registradas pelas instituições responsáveis parar manter a ordem e a segurança na Cidade. Motos e viaturas foram espalhadas em pontos de maior concentração de pessoas.

De acordo com a Polícia Militar (PM) e Guarda Civil Municipal (GCM) os casos mais graves registrados foram relacionados ao excesso de bebidas alcoólicas, onde pessoas permaneciam nas ruas atrapalhando o tráfego de veículos que não estavam participando da carreata comemorativa.

O comandante da GCM, Sérgio Luiz Bavia, ressaltou que antes mesmo de o jogo ser iniciado já havia um esquema de segurança preventivo preparado, caso o Corinthians ganhasse o jogo, o que acabou se confirmando. Após o encerramento da partida viaturas foram deslocadas para a Avenida Dom Lúcio, onde houve a concentração dos torcedores e carreata.

“Nossos agentes apenas observaram a movimentação e intervieram poucas vezes para evitar excessos. Felizmente, pudemos constatar que os torcedores estavam interessados apenas em comemorar e tudo transcorreu da melhor maneira possível e nenhum caso grave foi registrado”, frisou Bavia.

O chefe das Operações Estratégicas do 12º Batalhão de Polícia Militar do Interior (BPM-I), de Botucatu, major Marcelo Oliveira, também apontou que a PM não registrou nenhuma ocorrência de maior gravidade, apenas casos de acidentes de trânsito sem vítimas, excesso de bebidas alcoólicas e orientação com relação a soltura de fogos de artifícios.

“Os torcedores se comportaram e o trabalho policial foi facilitado. Como estava prevista uma grande concentração de pessoas, havia possibilidade de confronto entre torcidas rivais. Por isso, montamos uma operação com vários homens, viaturas e motocicletas para manter a ordem e a segurança”, disse o major da PM. “Tudo correu dentro da normalidade e nenhuma pessoa foi detida durante a comemoração”, complementou.