Combate ao crack em Botucatu é citado em site internacional

O Infosurhoy.com site muito difundido nos Estados Unidos, esteve em Botucatu e citou a cidade como modelo no combate ao crack, enfocando, especificamente, que em 2010, foi nomeada pela Secretaria de Segurança Pública como a cidade mais segura com mais de 100 mil habitantes no Estado de São Paulo.

Na matéria desse site está ressaltado que o crack está se espalhando para as cidades que são vistas como modelos de segurança pública, como Botucatu, localizada 235 quilômetros (146 milhas) de São Paulo. Município tem 127.000 habitantes e um Índice de Desenvolvimento relativamente alta Humano (IDH) de 0,822, com indicador baseado na expectativa de vida, alfabetização, educação e padrão de vida, traçando seu perfil econômico, escolas e industrias.

O jornalista do Infosurhoy.com conversosu com moradores e com o delegado Adjair de Campos, o secretário de Segurança Pública que expressaram preocupação com o aumento do consumo de crack. Campos citou que para identificar e prender narcotraficantes, a Guarda Civil Municipal (GCM) monitora praças da cidade e pontos de reunião para outros jovens com câmeras de vigilância 24 horas por dia. “Nós não temos uma cracolândia (como o de São Paulo) aqui”, diz o secretário. “Mas o aumento do consumo de crack, principalmente, na periferia da cidade está nos preocupando muito”, emenda.

Acompanhando uma patrulha GCM ao Jardim Brasil, bairro da periferia da Cidade, o Infosurhoy.com flagrou usuários de crack vagando pelas ruas em plena luz do dia. Esse foi o caso com Elisabete, que não revelou seu sobrenome ou a idade. Ela que é muito magra apontou para uma casa inacabada, com janelas quebradas, onde ela vive com outros viciados.

Outro usuário chamado Bruno que fuma cerca de 10 pedras de crack por dia, disse que vive com sua mãe, mas passa a maior parte do dia andando pelas ruas de Jardim Brasil. Revela que começou a fumar maconha quando tinha 13 anos e descobriu o crack, sete anos depois. “Já se passaram dois dias desde que eu tenha comido ou dormido”, diz Silva, que já foi preso três vezes por tentar roubar itens para trocar por crack. “Eu queria mudar minha vida, mas não tenho força”.

Adjair de Campos enfoca que, com os investimentos feitos nos últimos anos, a GCM de Botucatu está equipada para agir em diferentes situações. “Podemos atender desde um andarilho que esteja perambulando pela Cidade até entrar em confronto armado com marginais de alta periculosidade e uma das nossas principais prioridades é o combate ao crack, droga que está se disseminando, assustadoramente, pelo Brasil”, colocou Adjair de Campos. Lembra que a GCM patrulha a Cidade, diáriamente, fornecendo suporte para as ações realizadas pelas Polícias Civil e Militar e ministra palestras em empresas e escolas locais, a fim de aumentar a consciência sobre entorpecentes.