Comandante do 12º BPM-I quer PM integrada com a comunidade

O tenente coronel José Aparecido Godoy Siqueira, que substituiu o então comandante tenente coronel Cesar Francisco Toma, no comando do 12º Batalhão de Polícia Militar do Interior (BPM-I), de Botucatu e será responsável por uma área que agrega 13 municípios da região, diz que seu propósito é fazer um trabalho integrado entre a Polícia Militar e a comunidade.

Siqueira que estava no Comando de Policiamento do Interior 4, em Bauru ingressou na PM em 1976, como soldado, foi promovido a cabo e, posteriormente, frequentou a Academia de Polícia Militar do Barro Branco. Ao terminar o curso de formação de oficiais, em 1984, foi promovido a aspirante a oficial e, a partir daí, galgou os postos da corporação até ser promovido a tenente-coronel, no último 25 de agosto. Em sua carreira, ele trabalhou em diversas cidades do interior paulista, acumulando assim ampla experiência nas atividades de policiamento ostensivo.

Nos próximos dias ele deverá fazer visitas ? entidades e instituições, assim como personalidades constituídas como prefeitos, vereadores e associações classe, entre outras, para conhecer mais de perto os principais problemas nas cidades da região que agora estão sob seu comando.

Ele revela que receber a promoção e vir para assumir o comando da PM da região de Botucatu é gratificante. “Me sinto honrado em assumir o comando de uma cidade tradicional que é muito conhecida no Brasil, com boas universidades. Sabemos que estamos numa cidade progressiva e eu vim para servir esta comunidade”, frisou o comandante.

Declara que irá procurar se inteirar dos problemas das cidades que estarão sob seu comando e mostrar que sua filosofia de trabalho será exatamente a mesma que vem sendo aplicada pelo comando da Polícia Militar do Estado. Pretende realizar em Botucatu uma gestão que prime pela qualidade e pela defesa dos direitos humanos. “A polícia comunitária que é defendida pelo comando geral da PM, vai ter continuidade em Botucatu. É nesses pilares que vamos exercer nosso trabalho”, frisou.

Ele salienta que tem conhecimento do trabalho que é desenvolvido em parceria entre a PM, Polícia Civil e Guarda Civil Municipal e garante que dará prosseguimento a esse trabalho realizando operações conjuntas visando a segurança pública da cidade. “Tenho conhecimento do trabalho integrado das polícias e vamos dar continuidade. Não haverá ruptura de segurança na cidade e se pudermos vamos melhorar ainda mais. Hoje a política da Polícia Militar é trabalhar de forma integrada, com base na polícia comunitária. A comunidade vai estar junto com a polícia para desenvolver um trabalho que seja de interesse da própria comunidade”, observou o comandante do 12º BPM.

Para ele, os índices da criminalidade em Botucatu não são altos, mas enfatiza que o roubo é o que mais preocupa por ser um crime onde o marginal demonstra violência e ameaça de arma contra a vítima. Comparativamente, diz que o homicídio preocupa, mas muitas vezes é praticando pelo lado passional, nos próprios lares.

“Todo roubo é praticado de forma violenta e muitas vezes as pessoas confundem roubo com furto, que é um delito mais leve. Por isso vamos continuar desenvolvendo um trabalho para coibir o roubo não esquecendo os delitos menores, que acabam gerando crimes de grandes proporções como o próprio roubo, homicídio e tráfico de entorpecentes, entre outros”, concluiu.

Foto: Valéria Cuter