Cidadão é flagrado passando trote na PM

Um caso de falsa comunicação de crime (trote) foi registrado pela Polícia Militar nesta quinta-feira, com a identificação de um cidadão que já há alguns dias estava passando trote na Polícia Militar, através do telefone 190, cometendo a falsa comunicação de crime, que prevê, segundo o Código Penal Brasileiro uma pena que varia de 1 a 6 meses de reclusão.

Esse cidadão chamado Claudinei Antônio Roprato das Dores, de 19 anos de idade, ligava para a Central Operacional da Polícia Militar (COPOM), alertando que estava ocorrendo um tiroteio no Distrito de Rubião Júnior e havia uma pessoa ferida. Uma viatura policial com os soldados Minici e Gonçalves foi até o local indicado, mas nada encontrou.

Prosseguindo a patrulha pelas ruas de Rubião Júnior os policiais abordaram Claudinei das Dores, em atitude suspeita em um telefone público (orelhão) na Rua José Michelin. Ao ser questionado acabou por confessar que era o autor dos trotes e além da PM havia feito falsa comunicação de crime ? Guarda Civil Municipal (GCM) e Serviço de Atendimento Médico de Urgência (SAMU).

Claudinei das Dores recebeu voz de prisão e foi conduzido ao Plantão Policial, onde acabou autuado pelo delegado Geraldo Franco Pires por comunicação falsa de crime/trote e após a elaboração do Termo Circunstanciado (TC) foi liberado para responder o processo em liberdade.

De acordo com a chefe do Setor de Operações Especiais do 12º Batalhão de Polícia Militar do Interior (BPM-I), capitão Kátia Regina Christófalo, atitude como esta desse cidadão em Rubião Júnior atrapalha, e muito, o serviço de atendimento emergencial da PM.

“Não foi esta a única vez que esse cidadão ligou para o COPOM, sempre com a mesma história de tiroteio e pessoas feridas. Uma viatura quando se desloca para um local de falsa comunicação de crime, pode deixar de estar atendendo a um caso onde realmente é necessária a presença da Polícia Militar”, explanou Kátia Regina. “Por isso é que sempre procuramos orientar as pessoas para que não passem trotes e só utilizem o serviço190, se realmente for necessário”, complementou a capitão do 12º BPM-I.