Chuvas causam desabamento e erosão em pontos diferentes

As chuvas que desabaram na cidade nos últimos dias, ocasionaram uma grande erosão na Rua Salim Kahil, região da Vila Nogueira na nascente do Rio Tanquinho, que chegou a atingir a calçada. Em razão disso, foi necessário a Secretaria Municipal de Trânsito (Semutran) interditar um dos lados da rua para evitar acidentes, já que o fluxo de veículos naquele trecho é considerável.

Neste mesmo ponto já havia acontecido um acidente no final do ano passado quando um cidadão chamado Genivaldo Santana da Cunha, de 38 anos de idade, conhecido como Geninho, literalmente, foi “engolido” por um desmoronamento de terra de uma erosão de mais de 10 metros de altura e 50 de comprimento. Ele foi retirado do soterramento com vida pela equipe de resgate do Corpo de Bombeiros.

O problema havia sido solucionado com a colocação de dezenas de caminhões de terra e pedras no local. Porém, nesses últimos dois dias, a terra voltou a ceder e uma grande quantidade foi arrastada ribeirão abaixo deixando para trás mais uma enorme erosão.

{n}Muro desaba{/n}

Os agentes da Guarda Civil Municipal (GCM) Jayme e Lazarini também foram acionados para comparecer na creche “EMEI da Vila São Lúcio”, localizada na Rua Coronel Manoel Luiz dos Santos, próximo ao Terminal Rodoviário, onde um muro havia desabado e danificado o encanamento daquele estabelecimento de ensino.

No momento da queda nenhuma criança ou funcionário estava no local e tudo ficou sob controle. Nos fundos do prédio está instalada uma marcenaria que não sofreu nenhum dano. “Acionamos o setor de manutenção da Secretaria Municipal de Educação que, de imediato, compareceram para realizar os reparos necessários”, disse o agente Jayme.

O coordenador da Defesa Civil do Município, Domingos Chavari Neto revelou que já está ciente dos problemas, principalmente da na erosão da Salim Kahil. “Estamos elaborando um relatório completo sobre os problemas que estão ocorrendo por causa das chuvas para que os problemas sejam resolvidos. Infelizmente, não temos como controlar a chuva e os danos acabam acontecendo”, frisou Chavari.

Fotos: Valéria Cuter / divulgação