Cachorra é morta à pauladas no Vale do Sol

Um caso de extrema violência contra animais foi registrado na região do Vale do Sol nesta terça-feira (3) tendo como vítima uma cadela de nome Channel de apenas dois meses, portanto um filhote, que foi morta a pauladas em frente à casa de seu proprietário na região do Bairro Vale do Sol.

Incomodado com a morte de seu animal de estimação, Pedro Pacheco relata que ainda não conseguiu entender a razão dessa violência, já que rua onde mora é bastante tranquila e nunca havia sido registrado um ato violento como este. “Minha casa não tem muro, sendo assim estávamos educando ela (cadela) para não sair na rua, mas era apenas o inicio desta educação, afinal tinha apenas dois meses”, lamentou Pacheco em sua página de facebook.

Nesse mesmo espaço ele se pergunta quem seria capaz de matar uma cachorra filhote que mal consegue andar do jeito certo e mal consegue latir. Diz que mesmo que tivesse avançado na pessoa não precisava ter chegado ao ponto de espancá-la até a morte.

“Preocupa-me porque neste horário em que ela foi morta, passam aqui empregadas, babás e demais funcionárias das casas vizinhas que cuidam dos filhos de seus patrões, dos cachorros de seus patrões, e pior, da casa e da vida de seus patrões. Sei que cheguei longe nos meus pensamentos, mas será que, realmente, fui longe mesmo?”, frisou Pacheco não escondendo sua indignação.

{n}Vila Sônia{/n}

Paralelo ao caso de extrema violência ocorrida no Bairro Vale do Sol, também na região da Vila Sônia, moradores estão aturdidos com o número acentuado de pássaros silvestres que estão morrendo por envenenamento. Esse veneno é administrado na alimentação das aves (ração, quirera ou milho) jogada nas calçadas onde os pássaros pousam para se alimentar. Mais de 40 aves de diferentes espécies da fauna silvestre já foram encontradas mortas em via pública.

Ainda na Vila Sônia, segundo moradores, também está ocorrendo envenenamento de cães com um produto conhecido como “chumbinho”, administrado em pequenos nacos de carnes ou em “cubos” de mortadela. O alimento envenenado é escondido em meio ao gramado e não são vistos pelos proprietários que passeiam com os animais em coleiras, mas são facilmente localizados pelos cães que têm um faro bastante apurado.