Bebê é encontrado em lixeira no Parque Marajoara

No início da madrugada desta quarta-feira (27), por volta das 01h15, um caso de abandono de incapaz foi registrado pelos policiais militares Roma e Alex, na Rua Edgar de Alencar Saboya, nº 484, região do Parque Marajoara. A criança do sexo masculino tinha pouco mais de 2,8kg e ainda estava com o cordão umbilical.

A moradora Jocilene Veloso Schott, de 33 anos de idade, estava retornando para sua casa quando percebeu que na lixeira de sua casa havia um lençol branco e embaixo dele algo estava se movendo. A mulher aproximou-se e constatou que se tratava de uma criança recém-nascida, dentro de um saco plástico. Recolheu a criança e acionou a polícia.

“Foi uma cena muito triste encontrar uma criança naquela situação. Muita gente reza pra ter filhos e é lamentável que uma mulher tenha tomado a triste decisão de jogar o próprio filho no lixo”, lembra o policial Roma que temeu pela saúde da criança. “Estava muito frio e a criança poderia ter morrido de hipotermia (frio), se permanecesse naquele local durante a madrugada. Felizmente uma moradora encontrou a criança e nos comunicou para que ela pudesse ser assistida. Por mais experiente que a gente seja, casos como esse mexe com nosso emocional”, complementa policial militar.

A criança foi encaminhada ? Unesp e permaneceu aos cuidados médicos da equipe de plantonistas do hospital e não corre risco de morte. “Graças a Deus a criança está bem de saúde e vai sobreviver. É uma cena triste e alegre ao mesmo tempo. Triste pela situação em que a criança foi encontrada e alegre porque ela vai sobreviver e ter uma vida normal”, frisou o soldado Alex, que esteve na operação.

Pela manhã o caso foi encaminhado ? Delegacia de Defesa da Mulher (DDM) que iniciou o trabalho investigativo para identificar a mulher que teria abandonado o filho naquela situação e esclarecer os motivos que a fizeram a agir daquela maneira.

Além da DDM a ocorrência deverá ser encaminhada ao Juiz da Vara da Infância e Juventude, Josias Martins de Almeida Júnior e pela equipe de assistentes sociais do Fórum de Botucatu. Oportunamente, esta criança poderá ser entregue aos cuidados de uma família botucatuense que se encontra na fila de espera de adoção.