Banda Sinfônica da PM faz exibição de gala em Botucatu

Uma noite memorável! Assim se pode chamar a apresentação da Banda Sinfônica da Polícia Militar do Estado de São Paulo realizada na noite desta quinta-feira (26), no anfiteatro do Colégio La Salle que recebeu um bom público. A apresentação foi em comemoração ? s festividades do 157º aniversário da cidade de Botucatu e ao 44º aniversário do 12º Batalhão da Polícia Militar do Interior (BPM-I).

Ao som de clarinetes, saxofones, trombones, cornetas, flautas, trompas, entre outros, o corpo musical da PM sob a batuta do maestro e capitão Ezequiel Alves da Silva (substituindo o maestro Renato Maximiliano da Silva), trouxe para Botucatu um repertório eclético, apresentando diferentes gêneros que foi das músicas eruditas dos maiores compositores do planeta ? s musicas mais regionalizadas como “Só Quero um Xodó”, “Disparada”, “Asa Branca”, “Evidências” e “Fio de Cabelo”.

Um dos momentos marcantes foi a apresentação da música “Whisky A Go Go”, do Grupo Roupa Nova, quando os músicos, literalmente, dançaram no palco fazendo coreografia com seus instrumentos. Ao final, os músicos foram aplaudidos em pé.

O comandante do 12º Batalhão de Polícia Militar de Botucatu, major Jorge Miguel, ressaltou que a Banda Sinfônica da PM se apresenta em solenidades militares e junto ? comunidade prestando diversos serviços sociais. E fez um esclarecimento: “Esse pessoal (os músicos) não tem moleza, não. São policiais como qualquer um de nós que vão ? s ruas manter a ordem, fazem patrulhamento e caçam bandidos. Por isso, são especiais”, colocou Jorge Miguel.

{n}{tam:25px}
História da Sinfônica{/n}{/tam}

Fundado em 7/4/1857, com 17 componentes e mais um sargento mestre, o Corpo Musical a princípio tinha como função levar entretenimento aos praças aquartelados. Foram esses músicos que acompanharam os policiais pela Estrada das Lágrimas, quando desciam a serra do mar rumo ao porto de Santos e, dali, rumo ao teatro de operações da guerra do Paraguai (1864-1870), recebendo-os, posteriormente, de retorno do front, quando voltavam a São Paulo.

Sua primeira apresentação pública foi em 6/11/1892, na inauguração do Viaduto do Chá. A partir daí, a Banda Sinfônica passou a se apresentar em outros momentos importantes na capital, como as inaugurações da Avenida Paulista e Teatro Municipal. O Corpo Musical já dividiu o palco com artistas como Agnaldo Rayol, Inezita Barroso, Chitãozinho & Xororó e Demônios da Garoa.

Com, atualmente, 160 músicos, sob comando do capitão músico PM e maestro Renato Maximiliano da Silva, o Corpo Musical é composto por diversas seções: Banda Sinfônica, Jazz Band, Quinteto de Metais, Quinteto de Cordas, Camerata e Coral Masculino. Por mês, cada segmento realiza cerca de 30 apresentações.

A Banda Sinfônica é considerada patrimônio histórico-cultural paulista e tem como característica a execução de peças eruditas e populares, diferindo de uma orquestra pelos instrumentos utilizados em sua formação. Contando com 58 componentes, dela são extraídos dois grupos: Jazz Band e Quinteto de Metais. O repertório é composto por músicas populares brasileiras e internacionais, dobrados e marchas militares, hinos pátrios de praticamente todos os países, bem como pequenas peças eruditas que não exijam a aplicação de instrumentos exóticos.

Para o policial ingressar no Corpo Musical é necessário exercer por dois anos as atividades policiais para depois passar por uma avaliação. Geralmente os participantes são músicos por opção, uma vez que a PM não mantém cursos de formação, só de aperfeiçoamento, dentro da própria instituição. O trabalho com a música é feito em apenas metade da carga horária de serviço, pois os policiais músicos continuam a atuar no policiamento ostensivo.

Fotos: Valéria Cuter

{bimg:30699:alt=interna:bimg}
{bimg:30700:alt=interna1:bimg}