Autor de crime passional será levado a júri popular

Por esfaquear desafeto que teria proferido “gracejos para sua mulher”, o réu Denilson de Sá Pires será submetido ao crivo de um júri popular nesta quinta-feira (6) no auditório da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), Subsecção de Botucatu. O destino do réu será traçado por sete pessoas da sociedade botucatuense (entre homens e mulheres) que formarão o Conselho de Sentença.

Pires foi denunciado pelo Ministério Público como o autor de um crime de homicídio tentado cometido contra Hamilton Ricardo Dias, ocorrido na madrugada do dia 1º de janeiro de 2006, na Rua 14, nº 112, região do Jardim Monte Mor.

Descreve a denúncia que Denilson Pires e Hamilton Dias foram juntos a uma festa com suas respectivas esposas para comemorar o ano novo. No retorno para casa, Pires entendeu que seu, então, amigo estaria “fazendo gracejos” para sua mulher e começou uma discussão. Pires armou-se de uma faca e desferiu um golpe que atingiu o abdome de Dias que foi socorrido ao Pronto Socorro (PS) da Unesp, onde passou por uma intervenção cirúrgica permanecendo internado por 35 dias. Pires foi preso.

Na presidência dos trabalhos estará o juiz presidente do Tribunal de Júri, Marcus Vinicius Bachiega, tendo como representante do Ministério Público, o promotor de Justiça Marcos José de Freitas Corvino. Na defesa do réu atuará o advogado criminalista Edson Coneglian. O julgamento terá acesso livre para quem tiver interesse em acompanhar os trabalhos.