Assassinato na Cohab será levado a júri popular

Dia 5 de abril de 2008, ? s 22h20, na Avenida Marcos Bravin, região da Cohab V. Foi nesse endereço, dia e hora que Ronaldo Batista de Oliveira conhecido como Ronaldinho foi assassinado com vários tiros, disparados por Cristiano Aparecido Rosman Rodrigues, o Tuta.

Será este o crime que estará sob julgamento nesta quinta-feira no auditório da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), Subsecção de Botucatu. Será também o primeiro julgamento a ser presidido em Botucatu pelo juiz Marcos Vinícius Bachiega, que chegou, recentemente, de Barra Bonita para assumir a 2ª Vara Criminal da Comarca. Ao lado do magistrado estará atuando a escrevente, Eliane Camarinho Pilan.

De acordo com o que está descrito na denúncia do Ministério Público, tudo começou em um churrasco que Ronaldinho fazia em sua casa. Por ciúme e estar alcoolizado ele discutiu e agrediu sua companheira de nome Evanilde Rosa e esta chamou sua mãe e irmãos que foram buscá-la, gerando mais discussões e tentativa de agressão.

Na rua, um dos irmãos de Evanilde chamado Claudenir encontrou Cristiano “Tuta” e lhe contou o ocorrido. Posteriormente, Tuta e Ronaldinho, que estava procurando Claudenir para ajustar contas, se encontraram e ambos passaram a discutir. Foi então que Tuta que não tinha nada a ver com o entrevero do casal sacou de uma arma e desferiu quatro tiros contra Ronaldinho, causando-lhe lesões que o levaram ? morte.

Depois de desferir os tiros Tuta foi até a casa de sua namorada onde deixou o revólver, que ela acabou enterrando no quintal. A arma acabou sendo apreendida pela polícia para o laudo balístico. Tuta foi preso e, desde então, aguarda o julgamento.

Na defesa do réu estará atuando em plenário o advogado criminalista, Edson Coneglian, que vai tentar convencer o Corpo de Jurados, formado por sete pessoas da sociedade botucatuense, que Tuta agiu em legítima defesa. Na acusação atuará o promotor de Justiça Marcos José de Freitas Corvino.